Angola
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

Ataque ao Capitólio dos EUA foi precedido por falhas de agências de inteligência, diz relatório do Senado

Um novo relatório detalhando falhas de inteligência que levaram ao ataque de 6 de janeiro de 2021 ao Capitólio dos Estados Unidos aponta que agências governamentais responsáveis por antecipar problemas minimizaram a ameaça — mesmo quando o prédio estava sendo invadido em uma tentativa para impedir a certificação de Joe Biden pelo Congresso como o 46º presidente norte-americano.

O relatório de 105 páginas, divulgado nesta terça-feira pelos democratas no Comitê de Segurança Interna e Assuntos Governamentais do Senado, disse que a equipe de inteligência do FBI, do Departamento de Segurança Interna (DHS) e outras agências ignoraram os alertas sobre possíveis episódios de violência em dezembro de 2020.

Posteriormente, as entidades se culparam por não terem evitado o ataque que aconteceu em 6 de janeiro, que deixou mais de 140 policiais feridos e causou várias mortes.

Desde então, o governo dos EUA obteve centenas de condenações contra os manifestantes, alguns recebendo longas sentenças de prisão.

“Essas agências falharam em soar o alarme e compartilhar informações críticas de inteligência que poderiam ter ajudado as forças de segurança a se prepararem melhor para os eventos” de 6 de janeiro, disse o senador Gary Peters, presidente do comitê que emitiu o relatório intitulado “Planejado à vista de todos: Uma revisão das falhas de inteligência antes de 6 de janeiro de 2021.”

Os republicanos do comitê não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

Um porta-voz do Departamento de Segurança Interna disse em comunicado que, desde o início de 2021, a agência tomou “medidas para aprimorar sua capacidade de coletar e produzir informações sobre ameaças à segurança interna”, protegendo a privacidade e os direitos civis, e que também melhorou o treinamento de pessoal e a supervisão da coleta de atividades de inteligência, segundo a nota.

Por Richard Cowan