Angola
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

Bancos em França deverão pagar multas de mais de 1 bilhão de Euros, após buscas

Bancos franceses, incluindo Societe Generale SA e BNP Paribas SA, deverão pagar multas coletivas de mais de 1 bilhão de euros (US$ 1,1 bilhão) como parte de uma investigação sobre fraude fiscal e lavagem de dinheiro relacionada ao pagamento de dividendos. Anunciou esta tarde a agência de informações Bloomberg.

HSBC Holdings Plc, Natixis SA e a unidade Exane do BNP também fazem parte da investigação, de acordo com o Ministério Público em Paris, que disse que as multas incluem multas e juros retroativos.

As buscas estão relacionadas com uma estratégia de arbitragem de dividendos conhecida como Cum-Cum, na qual os acionistas transferem ações por um curto período para investidores estrangeiros para evitar um imposto sobre dividendos. Os investidores mantêm as ações enquanto os dividendos são pagos e não são tributados ou os impostos são reembolsados. Em seguida, os investidores estrangeiros vendem os títulos de volta ao proprietário original e o valor economizado é dividido entre as partes.

Representantes do BNP, HSBC e Natixis não responderam imediatamente aos pedidos de comentários. Mas, um porta-voz da SocGen confirmou que o banco faz parte da investigação.

As buscas aumentam ainda mais o sentimento negativo em torno do setor bancário nos EUA e na Europa, onde os investidores foram atingidos pelo resgate de emergência do Credit Suisse Group AG na Suíça e pela falência do Silicon Valley Bank nos EUA.

As ações da SocGen caíram até 2,4% antes de reduzir os ganhos para cair 1% a partir das 13h03 em Paris. O BNP caiu 0,5% e o HSBC caiu cerca de 0,2% em Londres.

A investigação francesa, que o procurador disse estar em preparação há meses, envolve 16 magistrados locais, mais de 150 investigadores e 6 procuradores de Colônia, na Alemanha. A evasão de pagamentos de impostos sobre dividendos na Alemanha tem sido um escândalo contínuo naquele país por quase uma década. Um esquema semelhante, conhecido como Cum-Ex, permitia que os vendedores a descoberto e o atual acionista reivindicassem créditos fiscais sobre um dividendo único.

O procurador francês também convidou qualquer pessoa que deseje trazer mais informações relacionadas ao inquérito francês a se apresentar.