Angola
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

Covid longa: Estudo identifica efeitos na função cerebral até 2 anos após infecção

Após contraírem covid-19, é comum que pacientes relatem dificuldades com funções ou habilidades cognitivas, como a capacidade de relembrar memórias, concentrar-se em tarefas ou encontrar as palavras certas durante uma conversa.

Estes sintomas são frequentemente denominados “nevoeiro mental”. São especialmente comuns entre as pessoas que apresentam sintomas persistentes ou de longo prazo — a chamada covid longa.

No último levantamento, em março de 2023, um milhão de pessoas com covid longa no Reino Unido tiveram dificuldade de concentração e 750 mil apresentaram perda de memória ou confusão mental.

Em curto prazo, os sintomas do nevoeiro mental podem prejudicar a capacidade das pessoas de realizar suas tarefas diárias normais, como o trabalho e o cuidado com os filhos, e reduzir sua qualidade de vida.

No longo prazo, as leves dificuldades cognitivas podem evoluir até se tornarem condições mais graves, como demência. De fato, a infecção por covid-19, de forma geral, vem sendo relacionada ao aumento do risco de diagnóstico de demência.

A fim de auxiliar as pessoas no curto e no longo prazo, é importante compreender a natureza, a magnitude e a duração dos efeitos do nevoeiro mental e da covid longa, de forma mais ampla, sobre as funções cognitivas.

Em um estudo recente, meus colegas e eu procuramos entender se a infecção por covid-19 e a duração dos seus sintomas afetaram o desempenho dos pacientes em testes cognitivos e como o desempenho no teste se alterou ao longo do tempo.

Concluímos que pessoas com sintomas persistentes de covid-19 apresentaram resultados inferiores nesses testes até dois anos após a infecção.

Treinamento do cérebro

Para testar as funções cognitivas, nós convidamos participantes do Biobanco de Estudo de Sintomas da Covid a realizar uma série de 12 tarefas online para treinamento do cérebro — pela primeira vez, em julho de 2021 e, novamente, em abril de 2022.

Na primeira rodada, mais de 3,3 mil pessoas realizaram o teste. Outras 2,4 mil participaram da segunda rodada — e, destas, 1,7 mil também haviam participado do primeiro teste.

O Biobanco de Estudo de Sintomas da Covid é um trabalho que começou em 2020, recrutando pessoas pelo aplicativo do Estudo de Sintomas da Covid para smartphones (agora chamado Estudo de Saúde ZOE), que acompanha os sintomas e os testes de covid-19.

O estudo inclui mais de 8 mil pessoas, com e sem histórico de infecções por covid, que apresentam diversos sintomas de covid-19 de curto e de longo prazo.

O objetivo das tarefas era avaliar uma série de elementos das funções cerebrais, incluindo memória visual, atenção, raciocínio verbal e controle motor. Algumas tarefas envolviam relembrar palavras e formas após um curto período de menos de um minuto ou depois de um período maior, de cerca de 20 minutos.

Outras tarefas incluíram observar sequências de números que apareciam na tela e repeti-las em seguida, clicando em um alvo móvel, e decidir se duas palavras têm o mesmo significado. Versões similares do teste (em inglês) são disponíveis para qualquer pessoa tentar responder online.

Nós registramos o nível de acerto dos participantes ao realizarem as tarefas e seus tempos de resposta.