Angola
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

EUA, UE e União Africana aumentam a pressão sobre golpistas no Níger

Os Estados Unidos e a União Europeia (UE) manifestaram o seu apoio ao presidente deposto do Níger, Mohamed Bazoum, e aumentaram a pressão sobre os militares golpistas, a quem a União Africana (UA) exigiu neste sábado (29) que restabeleça a ordem constitucional em até 15 dias.

O general Abdourahamane Tiani, que comanda a Guarda Presidencial desde 2011, apareceu na televisão estatal na sexta-feira para se autodeclarar o novo líder do Níger.

Os seus homens mantêm Bazoum, eleito democraticamente, refém em sua residência oficial em Niamey, a capital, desde quarta-feira.

Tiani justificou o golpe afirmando que há uma “deterioração da situação de segurança” no país devido à violência de grupos jihadistas.

A União Africana e a União Europeia juntaram-se às condenações internacionais desta tomada de poder, a mais recente na região do Sahel. Mali e Burkina Faso também sofreram golpes militares nos últimos anos.

O Conselho de Paz e Segurança da UA “exige aos militares que retornem imediata e incondicionalmente aos seus quartéis e restabeleçam a autoridade constitucional, no prazo máximo de quinze (15) dias”, disse em comunicado divulgado após uma reunião na sexta-feira.

O bloco também condenou “nos termos mais fortes possíveis” a derrubada do governo eleito e expressou profunda preocupação com o “ressurgimento alarmante” de golpes militares na África.

O chefe diplomático da UE, Josep Borrell, disse em comunicado que o bloco europeu “não reconhece e não reconhecerá as autoridades” por trás do golpe e pediu a libertação imediata de Bazoum, que “continua sendo o único presidente legítimo do Níger”.

Borrell anunciou a suspensão “indefinidamente e com efeito imediato” de toda a cooperação de segurança com o Níger e o fim da ajuda orçamentária. Ele também indicou que a UE está pronta para apoiar futuras decisões tomadas pelo bloco regional da África Ocidental, “incluindo a adoção de sanções”.

Na sexta-feira, o chefe da diplomacia dos Estados Unidos, Antony Blinken, garantiu por telefone a Bazoum, que apesar do isolamento tem conseguido receber telefonemas de diplomatas e de vários chefes de Estado, que ele conta com o “apoio inabalável” de Washington.

– Reunião de líderes regionais –

Os líderes da Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (Cedeao) se reunirão no domingo em Abuja, na Nigéria, para avaliar a situação e as prováveis sanções.

O presidente francês, Emmanuel Macron, presidirá um Conselho de Segurança Nacional e Defesa sobre o Níger neste sábado, onde 1.500 soldados franceses e 1.000 americanos estão atualmente destacados.

O presidente do Quênia, William Ruto, disse que com este golpe, “a África sofre um sério revés em seu progresso democrático”.

O Níger, sem saída para o mar, é uma das nações mais pobres do mundo e frequentemente ocupa o último lugar no Índice de Desenvolvimento Humano da ONU, apesar de ser rico em urânio.

Sua história política tem sido turbulenta desde 1960, quando conquistou a independência da França. Ele sobreviveu a quatro golpes e inúmeras outras tentativas, incluindo duas anteriores contra Bazoum.