Angola
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

Macron defende autonomia estratégica da União Europeia face às tensões EUA-China

O presidente francês Emmanuel Macron exortou a Europa a desenvolver mais autonomia estratégica como forma de evitar o risco de transformar os países da UE em “vassalos” no caso de uma crise global, como um confronto EUA-China.

“A autonomia estratégica deve ser a batalha da Europa. Não queremos depender dos outros para questões críticas” disse Macron numa entrevista, publicada no domingo, citando questões como a situação em Taiwan, energia, defesa, mídia social e inteligência artificial.

Em relação a Taiwan, o presidente francês acrescentou que a Europa não tem interesse numa aceleração da crise política e deve seguir uma estratégia independente tanto de Washington quanto de Pequim.

Macron alertou contra o que chamou de “extraterritorialidade” do dólar americano, o que poderia forçar as empresas europeias a renunciar a fazer negócios com terceiros países ou arriscar violações de sanções.

“Se as tensões entre as duas superpotências esquentarem… não teremos tempo nem recursos para financiar a nossa autonomia estratégica e nos tornaremos vassalos”, disse Macron.

Durante a visita de Macron à China, viajando com a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, ele procurou delinear uma diferença nas relações em relação à abordagem mais dura dos EUA a Pequim. A Europa procura encontrar um equilíbrio envolvendo-se com a China no comércio e investimento, exigindo respeito pelos direitos humanos e soberania territorial para a Ucrânia, entre outros.

Macron disse que a Europa não deve acelerar o conflito, mas aproveitar o tempo para construir a sua posição como um terceiro polo entre a China e os Estados Unidos, em comentários ao jornal francês Les Echos e ao Político feitos durante sua visita à China.