Angola
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

Morgan Stanley negativo sobre a dívida queniana enquanto Angola recebe nota positiva

O Morgan Stanley uma das maiores instituições financeiras no mundo surpreendeu analistas financeiros, especializados nos mercados africanos, ao emitir uma nota positiva sobre Angola.

O Morgan Stanley emitiu também um parecer negativo em relação aos ativos quenianos, à medida que protestos mortais sacodem Nairobi, a capital do país, instando os investidores a olhar para o sul em busca de oportunidades em Angola após a recente desvalorização da moeda.

Estrategistas da Morgan Stanley estão menos otimistas com os títulos internacionais do Quênia, já que a recente agitação social força o fechamento de empresas, ameaçando a receita tributária e estimulando riscos fiscais. Ao mesmo tempo, eles atualizaram a sua opinião sobre as notas angolanas devido a sinais de uma moeda mais estável, dinâmica fiscal melhorada e avaliações atraentes.

“Agora é hora de adotar uma postura mais positiva em relação a Angola, uma vez que as avaliações estão sendo baratas”, escreveram os estrategistas da Morgan Stanley, anunciou a agência Bloomberg. “Agora preferimos Angola em relação ao Quênia, dada a perspectiva equilibrada para a primeira e os riscos negativos para a última.”

A Morgan Stanley recomenda a compra de obrigações estrangeiras de Angola com vencimento em 2049 face à dívida em dólares do Quénia com vencimento em 2048 . A dívida denominada em dólares de Angola rendeu cerca de 0,7% até agora este mês, em média , enquanto os títulos do Quênia caíram 1,3%, segundo dados compilados pela Bloomberg.

Apoiadores do líder da oposição queniana Raila Odinga têm protestado contra o resultado das eleições do ano passado e o aumento do custo de vida.

Isso contrasta fortemente com os desenvolvimentos recentes em Angola, que viu o apoio dos preços do petróleo e sinais de flexibilidade da taxa de câmbio depois que o Tesouro Nacional do país se absteve de vender moeda estrangeira . Isso viu o kwanza depreciar cerca de 30% para mais de 800 por dólar em junho.

Permitir a depreciação, juntamente com a remoção dos subsídios aos combustíveis, aproxima Angola de desbloquear o apoio do Fundo Monetário Internacional, o que seria benéfico para o crédito.

“Angola – com suas necessidades limitadas de financiamento de curto prazo e preços do petróleo em alta – parece uma boa alternativa”, disse Oren Barack , diretor-gerente de renda fixa da Alliance Global Partners, com sede em Nova York, que detém os títulos em dólar de ambos os países. . “O governo está tomando uma decisão impopular, mas necessária, de cortar os subsídios locais de combustível para o mercado doméstico, o que melhorará o saldo da conta corrente e fortalecerá as finanças.”

Refira-se que a análise financeira da Morgan Stanley e de outras instituições financeiras internacionais contrasta fortemente com a opinião de largos sectores da sociedade civil, oposição política e meios de comunicação angolanos sobre a situação em Angola, que enfrenta uma das piores crises económicas e sociais.

A desvalorização do Kwanza e a redução dos subsídios aos combustíveis fizeram disparar a inflação e criaram uma situação de forte aperto económico. A dependência de Angola em relação ao petróleo torna a economia do país extremamente vulnerável a choques externos.

O novo Ministro de Estado para a Coordenação Económica reconheceu a precariedade da situação económica e social do país e a necessidade de se tomar medidas para reequilibrar a situação. Recentemente o Governo tomou medidas, nomeadamente fiscais, para aliviar o aperto económico (clique aqui para mais informações).

Por Editor Económico
Portal de Angola