Angola
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

Reviravolta das petrolíferas: Shell prevê um futuro de longo prazo para o gás natural

Ao contrário das expectativas de muitos analistas em relação à transição climática, a Shell prevê um papel de longo prazo para o gás natural na matriz energética mundial e pretende expandir para os principais mercados em crescimento.

As equipes de gás natural liquefeito (GNL) estão sendo instadas a fazer mais negócios na China e na Índia, e a empresa está oferecendo bônus mais altos para negócios fechados nesses e em outros países-alvo, de acordo com pessoas informadas sobre os planos da empresa. Anunciou a agência Bloomberg.

A Shell buscará oportunidades de investimento para instalações de exportação de GNL ou acordos de fornecimento de longo prazo, de acordo com as pessoas, que pediram para não serem identificadas porque os detalhes são privados.

“Sempre soubemos que o gás é crucial para a transição energética, mas a nossa nova estratégia é construída em torno de uma nova crença – que o gás continuará a desempenhar um papel fundamental no mixe de energia”, Cederic Cremers, vice-presidente executivo de GNL da Shell disse num memorando interno visto pela Bloomberg News.

O seu plano vem depois que o desempenho do negócio integrado de gás da Shell ajudou a impulsionar o lucro do primeiro trimestre e segue o desempenho anual recorde da unidade no ano passado, quando o GNL foi impulsionado pela decisão da Rússia de cortar o fornecimento de gasodutos para a Europa. Também ocorre quando a indústria em geral reavalia o ritmo de sua mudança de combustíveis fósseis.

A Shell manterá a produção de petróleo estável ou ligeiramente mais alta em 2030, descartando cortes anuais na produção, informou a Reuters na semana passada.

A BP Plc também está se movendo para bombear mais petróleo e gás do que o planeado anteriormente no curto prazo, enquanto a Chevron Corp. prevê uma forte demanda de longo prazo por gás natural – em vez de um papel de curto prazo como combustível de transição para fontes de energia mais limpas.

A Shell já sinalizou que vai sair de negócios que não estão produzindo retornos adequados e a divisão de energia renovável da empresa foi informada de que precisa se tornar mais lucrativa, não apenas entregar emissões de carbono mais baixas.

Alguns investidores e ativistas se opuseram ao enfraquecimento das promessas climáticas entre os maiores produtores de energia. A reunião anual da Shell no mês passado foi interrompida por mais de uma hora por protestos, incluindo pedidos para que a empresa invista mais em energia renovável.

A estratégia atualizada de GNL da Shell incluirá trabalho adicional com os clientes para reduzir as emissões do combustível usando a captura e armazenamento de carbono e também um foco no hidrogênio, de acordo com o memorando interno.