Angola
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

Suspeito de vazar documentos confidenciais do Pentágono é preso

O procurador-geral dos Estados Unidos, Merrick Garland, confirmou, nesta quinta-feira (13), informações divulgadas pela imprensa mais cedo sobre a prisão de um homem suspeito de vazar na internet dezenas de documentos de Defesa altamente sigilosos.

O suspeito Jack Teixeira “foi preso sem incidentes” e deve se apresentar em breve a um tribunal no estado de Massachusetts (nordeste), disse Garland em uma breve coletiva de imprensa.

Mais cedo, o presidente americano, Joe Biden, afirmou que a investigação sobre a divulgação de documentos confidenciais dos Estados Unidos “se aproximava” de um resultado, enquanto a imprensa americana já indicava um membro da Guarda Nacional como possível responsável pelo vazamento.

Os documentos vazados revelaram preocupação sobre a viabilidade de uma próxima contraofensiva das forças de Kiev contra as tropas russas, assim como sobre as defesas aéreas ucranianas, e deram sinais de espionagem de aliados por parte dos Estados Unidos.

“Está sendo realizada uma investigação completa, com a comunidade de inteligência e o Departamento de Justiça e estão se aproximando” de algumas conclusões, disse Biden durante visita à Irlanda.

Os comentários do presidente se seguiram a uma reportagem do jornal The Washington Post, segundo a qual um homem que trabalhava em uma base militar americana havia publicado centenas de páginas de documentos em um grupo chamado Thug Shaker Central na plataforma de redes sociais Discord.

O The New York Times, por sua vez, noticiou que havia identificado uma “pista de provas digitais” que apontava para um jovem membro da Guarda Aérea Nacional como o líder do grupo e responsável pelo vazamento, apesar de deixar claro que não havia sido identificado oficialmente como suspeito.

O jornal o identificou como Jack Teixeira, um membro de 21 anos da Inteligência da Guarda Nacional de Massachusetts.

O Wall Street Journal também apontou para um membro da Guarda Aérea Nacional e disse que poderia haver uma prisão nesta quinta-feira.

Segundo os relatórios, o suposto autor dos vazamentos, que se identificava como “OG”, publicava regularmente documentos no grupo há meses.

O grupo de cerca de 24 pessoas, inclusive Rússia e Ucrânia, se uniu por sua “paixão mútua por armas, equipamento militar e Deus” e formou um “clube na Discord apenas para convidados em 2020”, destacou o Post, que, assim como o Times, citou membros não identificados do Thug Shaker Central.

– “Implicações para a segurança nacional” –

OG disse aos membros do grupo que passava parte do dia “dentro de uma instalação segura que proibia os telefones celulares e outros dispositivos eletrônicos”, segundo o Post.

Primeiro transcreveu o conteúdo dos documentos classificados para compartilhar com o grupo, mas logo começou a tirar fotos e pedir aos demais membros que não as compartilhassem, destacou o periódico.

OG tinha uma “visão sombria do governo” e “falava dos Estados Unidos, e particularmente das forças de ordem e do serviço de inteligência, como forças sinistras que tentavam reprimir os cidadãos e mantê-los na escuridão”, acrescentou o Post, citando um dos membros do grupo.

A porta-voz da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, disse que os Estados Unidos estão “verificando as implicações para a segurança nacional” do vazamento, que motivou uma investigação criminal por parte do Departamento de Justiça.

Devido ao vazamento, o Departamento de Defesa também tomou medidas para restringir ainda mais o acesso a este tipo de informação confidencial, disse Jean-Pierre a jornalistas da comitiva de Biden.

Washington também quer que as empresas de redes sociais “evitem facilitar” a divulgação de material deste tipo, afirmou.

“Acreditamos que as empresas de redes sociais têm a responsabilidade para com seus usuários e com o país de administrar a infraestrutura do setor privado que criaram e agora operam”, disse Jean-Pierre.

Um porta-voz da Discord disse à AFP que a segurança dos usuários é uma prioridade e que conteúdos que violam suas políticas podem acarretar usuários banidos, servidores interrompidos e alertas à polícia.

“Em relação à aparente violação de material confidencial, estamos cooperando com as forças de ordem”, disse o porta-voz. “Como a investigação está em andamento, não podemos fazer mais comentários neste momento”.