Angola
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

Xi e Putin prometem moldar nova ordem mundial, sem paz à vista para a Ucrânia

O presidente chinês, Xi Jinping, e o presidente russo, Vladimir Putin, manifestaram acordo em moldar uma nova ordem mundial quando o líder chinês deixou Moscovo na quarta-feira sem ter dado qualquer apoio direto à guerra de Putin na Ucrânia durante os dois dias da visita à Rússia. Anunciou a agência Reuters.

Xi fez uma forte demonstração de solidariedade a Putin contra o Ocidente, mas mal mencionou o conflito na Ucrânia e disse na terça-feira que a China tinha uma “posição imparcial”. Não havia sinal de que os esforços de Xi para desempenhar o papel de pacificador tivessem valido a pena.

No entanto, quando Xi saiu, ele disse a Putin: “Agora há mudanças que não aconteciam há 100 anos. Quando estamos juntos, lideramos essas mudanças.”

“Concordo”, disse Putin, ao que Xi respondeu: “Cuide-se, querido amigo, por favor.”

Comentando sobre a reunião de Xi-Putin, a Casa Branca disse que a posição da China não era imparcial e instou Pequim a pressionar a Rússia a se retirar do território soberano da Ucrânia para encerrar o maior conflito da Europa desde a Segunda Guerra Mundial.

Durante a noite, enquanto Xi estava em Moscou, as forças russas lançaram um “ataque aéreo maciço”, disparando 21 drones Shahed-136, disse o Estado-Maior das Forças Armadas da Ucrânia na quarta-feira.

Enquanto Xi se preparava para deixar Moscou, sirenes de ataque aéreo soaram na capital da Ucrânia, Kiev, e no norte e leste da Ucrânia, com relatos de ataques de drones, mas sem grandes destruições.

Anunciada pelo Kremlin como uma demonstração de apoio ao seu amigo mais poderoso, a visita de Xi a Moscovo contou com pompa e cerimônia cuidadosamente encenadas, mas o espetáculo também foi marcado por muita bonomia demonstrativa entre os dois autocratas.

Xi e Putin se referiram um ao outro como amigos queridos, prometeram cooperação económica e descreveram as relações de seus países como as melhores que já tiveram.

“Os dois líderes compartilharam a visão de que esta relação foi muito além do âmbito bilateral e adquiriu importância crítica para o cenário global e para o futuro da humanidade”, disse um comunicado divulgado pela China.

Putin disse no site do Kremlin: “Estamos trabalhando em solidariedade na formação de uma ordem mundial multipolar mais justa e democrática, que deve se basear no papel central da ONU, seu Conselho de Segurança, o direito internacional, os propósitos e princípios da Carta da ONU”.

Em uma declaração conjunta anterior, os líderes acusaram o Ocidente de minar a estabilidade global e a OTAN de invadir a região da Ásia-Pacífico, mas disseram que a estreita parceria entre China e Rússia não constitui uma “aliança político-militar”.

Sobre a Ucrânia, Putin elogiou Xi por um plano de paz que propôs no mês passado e culpou Kiev e o Ocidente por rejeitá-lo. O Ocidente vê o plano de paz da China como uma manobra para ganhar tempo para Putin reagrupar suas forças e solidificar seu controle sobre as terras ocupadas.

O plano de 12 pontos da China carece de detalhes específicos sobre como acabar com a sangrenta guerra de um ano que ceifou dezenas de milhares de vidas e forçou milhões a fugir.

O Ocidente tentou isolar a Rússia por meio de sanções globais e Putin enfrenta um mandado de prisão do Tribunal Penal Internacional.
A China não apoiou nenhuma das medidas e o Ocidente teme que ela possa ajudar a armar a Rússia em seu conflito, o que Pequim nega.

Quando Xi e Putin encerraram suas negociações na terça-feira, o Fundo Monetário Internacional anunciou um acordo preliminar com Kiev sobre um pacote de empréstimos de quatro anos de cerca de US$ 15,6 bilhões para o país destruído.

Separadamente, os Estados Unidos pretendem acelerar a entrega de 31 tanques Abrams para a Ucrânia até o outono, disse o porta-voz do Pentágono, general de brigada Patrick Ryder, a repórteres.