logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo
star Bookmark: Tag Tag Tag Tag Tag
Brazil

Ibovespa fecha em baixa de 0,24% com cenário externo e Bolsonaro

A volatilidade deu o tom dos negócios no mercado brasileiro de ações nesta quinta-feira, 7. Pela manhã, o índice chegou a subir mais de 1%, em uma correção à queda expressiva da véspera (-3,74%). Preocupações do cenário internacional, no entanto, impuseram novas perdas à tarde, com o índice alcançando também em torno de 1%. A notícia de que o presidente Jair Bolsonaro apresenta um quadro de pneumonia leve foi outro fator a favorecer as ordens de venda de ações.

Ao final dos negócios, o Ibovespa acabou distante de máximas e mínimas do dia, terminando o pregão aos 94.405,59 pontos, com baixa de 0,24%. Os negócios totalizaram R$ 17,1 bilhões.

O cenário externo foi influência negativa ao longo de todo o pregão, com quedas das bolsas da Europa e de Nova York, além das perdas nas commodities. No radar, ainda estiveram presentes as preocupações com a tensão comercial entre Estados Unidos e China e com o ritmo da economia global. Uma sensível piora ocorreu com a notícia não oficial de que Donald Trump avalia como “altamente improvável” uma reunião com o presidente da China, Xi Jinping, antes de 1º de março, quando termina a trégua bilateral no comércio.

Com a notícia, as bolsas de Nova York ampliaram as perdas e contaminaram os mercados emergentes. O Ibovespa chegou a perder pontualmente o patamar dos 94 mil pontos, registrando mínima de 93.507,18 pontos (-1,19%). Quando o índice voltava para a estabilidade, veio a notícia sobre o quadro de pneumonia de Jair Bolsonaro, conforme o boletim médico, confirmada pelo porta-voz do Planalto, Otávio Rêgo Barros.

Quase que simultaneamente, a agência de classificação de risco Standard & Poor’s divulgava a decisão de manter o rating do Brasil em BB-, com perspectiva estável. A agência afirmou que o rating do Brasil pode ser elevado ao longo dos próximos dois anos, caso o avanço na política sugira uma reação mais rápida nas trajetórias fiscal e de crescimento do País do que o atualmente esperado.

Para Rafael Passos, da Guide Investimentos, a reação à notícia sobre Bolsonaro mostrou que o mercado está sensível a ruídos, minimizando o risco de problemas mais sérios com o presidente. No que diz respeito aos comentários da S&P, o analista afirma que a agência apenas tornou pública avaliação que o mercado já esperava.

Na análise por ações, o destaque do dia foram os papéis do setor financeiro. Líderes de liquidez, foram essas ações que acabaram por dar a direção do Ibovespa em diversos momentos, ora operando em alta, ora em baixa. No fechamento, estiveram quase todos em terreno positivo. Bradesco PN subiu 1,52% e Banco do Brasil ON avançou 0,66%, recuperando pequena parcela dos mais de 5% de perdas de quarta. As ações da Petrobras caíram 1,77% (ON) e 1,57% (PN), alinhadas à queda dos preços do petróleo no mercado internacional. Vale ON amargou perda de mais 2,05%.

Themes
ICO