Crédito: Reprodução/Instagram
23/10/20 - 23h02

Márcio Gomes é outro dos jornalistas que deixou a Globo para ir para a concorrente, a CNN Brasil. Ele ficou na emissora por 24 anos até pedir demissão, mas garantiu que sempre deixou tudo às claras. “A CNN me chamou para um chá, e eu avisei a Globo. Não iria negociar pelas costas, jogo limpo. Outras emissoras já haviam feito contato, mas nunca levei adiante. Dessa vez foi diferente. A Globo passou a me ligar todos os dias com contraofertas, mas nenhuma delas foi suficiente. Eles não tiveram interesse em cobrir o salário oferecido”, disse em entrevista à Veja.

+ Gloria Vanique comemora saída da Globo desativando alarmes para 3h15 da madrugada

+ Ignorando polêmicas, Andressa Suíta volta para o Instagram com foto belíssima

O jornalista foi substituto de outros profissionais desde quando voltou de Tóquio, onde foi correspondente de 2013 a 2018. Márcio voltou aos holofotes à frente do quadro “Combate ao Coronavírus” nas manhãs da Globo, quadro televisionado para todo o Brasil. “Eu estava muito confortável na emissora. O Combate ao Coronavírus foi um programa que me tirou da zona de conforto. A primeira máscara que ensinaram a fazer na TV fui eu que fiz, a primeira morte registrada foi informada no programa”, completou.

+ Menino é espancado pelos pais após manter relações sexuais com crianças da família

Veja também

+ Confira 4 dicas para descobrir se o mel é falsificado

+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"

+ MG: Pastor é preso por crime sexual e alega que caiu em tentação

+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por desconto de até 50% na parcela

+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

+Vídeo mostra puma perseguindo um corredor em trilha nos EUA

+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

+ 12 razões que podem fazer você menstruar duas vezes no mês

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

+ Educar é mais importante do que colecionar