logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo
star Bookmark: Tag Tag Tag Tag Tag
Brazil

Nem Geisel suportava Bolsonaro: um “mau militar”, “completamente fora do normal”. Por Kiko Nogueira

“Mau militar”

No último 31 de março, aniversário do golpe, ou movimento como prefere o presidente do STF Dias Toffoli, Bolsonaro reuniu meia dúzia de cidadãos de bem na Esplanada dos Ministérios, em Brasília.

JB se auto outorgou o papel de herdeiro do regime militar.

Na verdade, ele era desprezado pelos velhos líderes que o viam despontar.

Ex-ministro do Trabalho, da Educação e da Previdência, o tenente coronel Jarbas Passarinho afirmou em 2011 que Bolsonaro era “um radical e eu não suporto radicais”.

“Foi mau militar”, disse.

Roberto Simon, diretor para a América Latina da FTI Consulting, em Nova York, empresa de consultoria empresarial global, postou em suas redes sociais trechos de um depoimento de Ernesto Geisel, o quarto general da ditadura.

Fazem parte de um livro fundamental, com conversas compiladas pela Fundação Getúlio Vargas.

As entrevistas foram concedidas à cientista política Maria Celina d’Araújo e ao antropólogo Celso Castro entre julho de 1993 e abril de 1994. A obra foi lançada em 1997, um ano depois da morte de Geisel.

Ele governou o Brasil de 1974 a 1979. Às páginas 112 e 113 (o catatau tem 494 no total), Geisel fala de Bolsonaro, à época um deputado que já chamava a atenção pela indigência mental.

O contexto são as “vivandeiras” do regime militar. Geisel se queixava de que “há muitos dizendo: ‘Temos que dar um golpe!”

E emenda: “Não é só o Bolsonaro, não!”.

Em seguida: “Presentemente, o que há de militares no Congresso? Não contemos o Bolsonaro, porque o Bolsonaro é completamente fora do normal, inclusive um mau militar“.

Eduardo Reina escreveu no DCM sobre a expulsão de Bolsonaro da Escola de Oficiais após um plano terrorista.

Jair vive de uma mistificação de uma época brutal, vergonhosa, suja, uma mancha.

A democracia, que ele despreza, lhe permite homenagear o torturador Ustra em pleno Congresso.

No Exército, o “capitão” era considerado um “bunda suja”, o termo empregado pelos militares de alta patente — como Geisel — para designar aqueles que não subiram na carreira.

A história se repete como farsa.

Themes
ICO