Brazil

'Nunca se teve uma geração tão potente quanto a que produz agora', diz Elisio Lopes Jr

O roteirista, dramaturgo e diretor Elisio Lopes Jr acredita que nunca se teve uma geração tão potente quando se pensa em narrativas negras. Para ele, os novos profissionais do cinema e da comunicação estão ascendendo com a sua criatividade, o que “impressiona pela potência e o deixa orgulhoso e feliz”. Elisio Lopes Jr foi o convidado desta sexta-feira (23) do programa Conexões Negras, do Jornal CORREIO, no qual debateu o tema ‘O papel do artista negro na preservação da cultura e da memória afro-brasileira’.

Dentre as obras potentes, o diretor cita o filme Café com Canela, dirigido por Ary Roda e Glenda Nicácio, que é “100% baiano e absolutamente potente”. Na conversa, ele ressalta que o presente é o que é por toda a construção que veio antes e repassou esses ensinamentos, como o trabalho da cineasta Adélia Sampaio, que foi a primeira mulher negra a dirigir um longa-metragem no Brasil. 

“Se algo é feito hoje, é porque alguém construiu isso para você. Atualmente, os jovens não conhecem o limite. Antes, tudo era o sul, minha geração conhecia esse limite e se deslocava para tentar ser visto. Hoje, isso não ocorre pois se trabalha com outras vertentes. A TV aberta não é mais a única referência, temos a internet, temos os streamings. Temos na mão uma câmera de fazer sucesso, mudou o jogo de status e isso empoderou ainda mais, por isso, eu acho que nunca se teve uma geração tão potente quanto a que produz agora”, comentou Elisio, que ainda ressaltou o papel da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (Ufrb) em apoiar as produções de qualidade e com diversidade.

Os criadores de conteúdo também integram esse novo espaço de diálogo criado pela nova geração. O roteirista aponta que o trabalho desses comunicadores negros é fundamental. Para ele, é um tempo de diversidade por ser possível escolher uma referência para seguir.

“Existe conteúdo para vários gostos e pautas. Essas pessoas fazem um trabalho de formiga ao postar diariamente elucidando, esclarecendo e escurecendo as questões. Isso faz com que se entenda, todo dia, o que significa ser quem somos e é um luxo poder acompanhar os influenciadores pretos”, disse Elisio.

A falta de debate sobre a consciência social na TV aberta também foi debatida na live. Para o roteirista, a pressão social age em cima das mídias, o que aumentou a presença de negros nas telas, mas não impactou os bastidores, a produção dos programas. 

“Existe a pressão para se ver representado, a nossa capacidade de compra é uma realidade. Toda essa força e esses 13 anos de gestão de esquerda trazendo valores e fortalecendo redes fez uma pressão social efetiva. Entretanto, na prática, colocaram mais negros na tela, mas só isso não resolve. Se não tiver uma cadeia produtiva negra, que nos fortaleça e nos entenda, avançamos só até um ponto. Isso aconteceu e estagnamos, apesar da sociedade não ter arrefecido”, disse.

Para que seja possível continuar avançando, é preciso que a sociedade continue pressionado as mídias. Elisio acredita que os artistas também têm esse papel de pressionar para conseguir poder e espaços.

“Essa cadeia de profissionais habilitados para ocupar espaços precisa fazer um trabalho de avanço para ocupar. Ao ocupar é preciso trazer outros. Quanto mais se sobre, mais branco fica e isso é uma questão da estrutura racista do Brasil. Ao chegar a um lugar, é preciso batalhar para ter outros parecidos com você neste espaço, inclusive para ter troca”, disse o roteirista, que pontuou que deve haver uma ocupação efetiva dos espaços.

É necessário que as pessoas negras se protejam, como faz a classe hegemônica. Para ele, é preciso “apaziguar os erros dos nossos para que seja possível fazer uma plataforma preta”, afinal, os humanos têm defeitos e é preciso subir em grupo.

Pai de três meninas negras, a educação também foi tema da conversa. Elisio contou que passou a ter uma militância mais aguerrida e um compromisso com a vida mais ampliado do que ele tinha antes. Ele relatou a dificuldade que uma criança negra passa em escolas particulares onde a grande maioria dos colegas são brancos.

“Quanto se tem um filho e o racismo bate no seu filho, isso é uma dor que eu ainda não conhecia e passei a conhecer. Minha filha passou por um caso de racismo na escola e tivemos que mudá-la de colégio porque a instituição foi omissa. Tenho uma dificuldade com o ambiente escolar, o racismo e a criança. É muito cruel ser a única criança preta da escola”, relatou.

No processo de troca de escolas, o roteirista tem dificuldade em encontrar instituições com professores e muitos alunos pretos. “Nesse cenário, se coloca seu filho na cova do leões onde ele é agredido por certos conceitos, como de beleza. Como alguns educadores deixam a questão racial passar batido ao invés de encará-la?”, criticou.

Football news:

Mourinho before the match with Chelsea: Tottenham are not afraid of anyone
Guardiola on the schedule: Players lose the joy of football. This is a problem
Solskjaer about Manchester United: We didn't start the Premier League like the others, because of the European Cup and pre-season, which we didn't have
Why is soccer called soccer in the United States (and not only there)? Is it true that this name was invented by the British?
Ole Gunnar Solskjaer: We look at Manchester United through the lens of history. We want to attack and dominate
Koeman on the crisis: We must help Barca in the name of our love for her. We need to think about what's best for the club
Bayer midfielder Bailey named son Leo Cristiano: This has nothing to do with football at all