Brazil

O beijo do Brasil por sobre o muro de Michel Temer e Eduardo Cunha

"O muro da Esplanada é um crime de dois mandantes: Eduardo Cunha e Michel Temer. E de muitos cúmplices. É mais uma infâmia, para constar do corolário de infâmias que a História reserva a todos os golpistas e às suas tentativas de golpes", diz Carlos Odas, em artigo especial para o 247; "O muro da Esplanada é um crime em muitos sentidos, entre eles o político e o estético. É, por todos os ângulos, a estética do golpe. Por isso será derrubado, como o golpe, e por sobre seus escombros construiremos pontes. Para nos encontramos na democracia, onde há ternura e tensão, como num beijo entre pessoas que se amam"

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Carlos Odas

O muro da Esplanada é um crime de dois mandantes: Eduardo Cunha e Michel Temer. E de muitos cúmplices. É mais uma infâmia, para constar do corolário de infâmias que a História reserva a todos os golpistas e às suas tentativas de golpes, sejam elas bem-sucedidas ou não. O golpista é despido, pela História e oportunamente, do simulacro de honra que usa, em seu tempo, para encobrir as vergonhas. Quem é Carlos Lacerda, hoje? Quem são Magalhães Pinto, Ademar de Barros e todos os golpistas de 1954 e 1964? Quem são os juízes das cortes que legitimaram os golpes? Frequentam, todos, a mesma lixeira reservada àqueles que em nada contribuíram para o avanço de nossa sociedade ou, ao contrário até, atuaram em nome de seu atraso. Esse mesmo nicho frequentará, miseravelmente, a memória deste senhor que ocupa o posto de vice-presidente da República, aliado inconteste do larápio a quem outros larápios elegeram para o comando da Câmara dos Deputados.

A História demonstra: dos crimes imperfeitos, os golpes de estado estão entre os mais imperfeitos. São indisfarçáveis porque requerem que muitos agentes abram mão de suas responsabilidades institucionais e rifem, à luz do dia, as suas consciências. Golpes são a vitória do cinismo sobre a verdade, mas acontece que a verdade é uma força da natureza, o cinismo não. Contra si, no entanto, os golpistas da presente ocasião têm a velocidade da informação, que desmente seu discurso, e também o seu parco talento para lidar com símbolos que a informação constrói todos os dias. Sabem nada de semiótica, os “inocentes”. Os novos canais e meios por onde flui a informação verdadeira fazem da narrativa golpista um castelo de cartas que desmorona antes que seus arquitetos possam encaixar nele a última peça.

Lastimo profundamente este vergonhoso muro, que tenta reduzir a questão fundamental da democracia no Brasil a dois carnavais distintos, por ele separados; envergonho-me profundamente disto, como brasileiro. Lastimo pelo trabalhador que o tenha construído, e que, certamente, vive premido pelas más condições econômicas que um dos lados desse muro alimentou, por não aceitar as regras do jogo democrático, e por não se importar com quantos muros ainda separem, nesse país, os que “não dormem” dos que “não comem”. E, para melhor situar a menção a Josué de Castro, se é certo que já não há os que não comem, propriamente, há ainda os que não foram saciados da justiça social que lhes é historicamente devida. Essa sociedade não terá cura enquanto canalhas detentores de contas secretas em paraísos fiscais puderem esconder-se atrás das paredes de seus gabinetes, ao passo em que encarceram a juventude pobre e negra atrás dos muros do sistema penitenciário.

Uma cena, porém, há de ser tomada como símbolo dessa sexta-feira, 15, em que teve início no plenário da Câmara a mãe das batalhas contra o golpe: duas pessoas que se encontram e se beijam por sobre o muro de Cunha e Temer. Ainda que tenha sido produzida a foto, o símbolo é forte: há que haver amor, compreensão, tolerância, apreço por valores humanitários, para superarmos as barreiras que nos dividem. O beijo por sobre o muro liquefaz a narrativa golpista porque nenhum dos valores expressos na imagem pode ser associado às figuras de Michel Temer e Eduardo Cunha. Para que o Brasil se reencontre, ambos devem ser derrotados.

O muro da Esplanada é um crime em muitos sentidos, entre eles o político e o estético. É, por todos os ângulos, a estética do golpe. Por isso será derrubado, como o golpe, e por sobre seus escombros construiremos pontes. Para nos encontramos na democracia, onde há ternura e tensão, como num beijo entre pessoas que se amam.

Carlos Odas é militante do Partido dos Trabalhadores

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Football news:

Romero can move from Manchester United to Everton
What kind of goalkeeper did Chelsea take? Edouard Mendy was out of work 6 years ago, impressed the Czech and will replace Kepu
Solskjaer on Manchester United signing only van de Beek: You show disrespect to Donny, he's a top player
Milan want to sign striker Bude-Glimt Hauge. He scored them in the Europa League on Thursday
Rivaldo: Barcelona will not be easy without Suarez's goals
Munir from Seville was forced by FIFA to rewrite the rules. Now players can change the national team
Lampard will talk to Kepa and Caballero after signing Mendy