logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo
star Bookmark: Tag Tag Tag Tag Tag
Brazil

O caso Queiroz respingou na imagem do Einstein. Por Kiko Nogueira

Queiroz dança no Einstein

O caso Queiroz respingou na reputação do Einstein, um dos hospitais mais respeitados — e caros — do Brasil.

Em novo vídeo divulgado pela família, o ex-assessor de Flávio Bolsonaro diz que a gravação da dancinha aconteceu porque ele quis dar “cinco segundos de alegria a uma tristeza que se tomava (sic) dentro da enfermaria”. 

Para um convalescente, aparece com a voz firme, forte, sem qualquer sinal de debilidade.

Declara-se revoltado com a circulação das imagens.

“Estão dizendo que nesse vídeo eu estava comemorando o não comparecimento meu ao Ministério Público. Isso é muita maldade”, afirma.

“Tão logo acabe tudo isso, eu estarei pronto para esclarecer qualquer dúvida ao Ministério Público”.

A defesa relata que o samba aconteceu num “raro momento de descontração”. 

Mais especificamente, no dia 31 de dezembro, véspera da cirurgia para a retirada de um câncer no intestino.

Queiroz não compareceu a quatro depoimento no Ministério Público alegando motivos de saúde.

No meio tempo, encontrou tempo e energia para o sambinha e para dar entrevista chapa branca ao SBT.

Chama a atenção, no show da família Queiroz, o tamanho da acomodação e a algazarra num nosocômio.

Cenas suspeitas envolvendo o ex-assessor de um senador eleito, filho do presidente, estão ocorrendo ali dentro e não há nenhuma explicação ou esclarecimento da instituição.

Vale lembrar que se trata de uma empresa privada. Não é obrigada a revelar, por exemplo, quem está pagando a conta de Queiroz.

Mas os danos para a imagem do Einstein podem ser enormes se o silêncio se traduzir em deliberada falta de transparência, valor fundamental na gestão moderna.

Quando Bolsonaro ficou lá por 23 dias após a facada, a assessoria falou à Folha que não comenta valores ou se pronuncia sobre quem pagou os custos por questão de sigilo dos dados do paciente.

Einstein e Sírio Libanês brigam pelo posto de hospital mais renomado do país.

Famosos e políticos que os frequentam são fundamentais no marketing.

O show de Queiroz pode ser o comercial mais catastrófico da história do Einstein.

Themes
ICO