logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo
star Bookmark: Tag Tag Tag Tag Tag
Brazil

Países tem interesses, não amizades. Por Kennedy Alencar

Publicado originalmente no Blog do Kennedy:

O presidente Jair Bolsonaro disse ver “exagero” na repercussão da ameaça do colega Donald Trump de restabelecer tarifas para importação de aço e alumínio do Brasil. Ora, o “exagero” é a política de alinhamento automático com Washington, que só trouxe prejuízo ao Brasil ao longo do ano.

Bolsonaro e o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, tratam a ameaça do presidente americano com fraqueza, amadorismo e subserviência. Se o governo pretende mesmo reverter a medida, já deveria ter anunciado o estudo de alguma retaliação aos Estados Unidos. Esse jogo é uma via de mão dupla.

Em 2019, o Brasil aumentou a compra de etanol dos EUA e não conseguiu ampliar o mercado para a nossa carne e açúcar. O governo Bolsonaro abriu mão do “tratamento especial” a que o Brasil tinha direito na OMC (Organização Mundial do Comércio) em troca da ilusão de ingressar na OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento), um clube dos países mais desenvolvidos.

A forma como Trump anunciou a ameaça, via Twitter, e o tom duro da mensagem evidenciaram falta de apreço por Bolsonaro. Mesmo assim, o presidente brasileiro diz que entende o amigo que fala grosso e que não pretende virar as costas para ele.

Ora, países tem interesses, não amizades. O complexo de vira-lata de Bolsonaro, manifestado numa viagem a Washington em março, colocou o Brasil numa posição ruim na relação com os Estados Unidos. Tal subserviência resultou em descrédito para a imagem de profissionalismo da diplomacia brasileira. Antes respeitada, agora é motivo de chacota no âmbito da ONU (Organização das Nações Unidas) devido à guinada regressiva na área de direitos humanos.

A política externa de Bolsonaro comprou brigas desnecessárias com outros países. Tratou a Argentina com um amadorismo que não leva em consideração a interdependência entre as duas economias. E demorou a entender a importância de ter canais azeitados com a China, a nossa maior parceira comercial.

Em resumo, a desfeita de Trump coroa o isolamento internacional do Brasil. A política externa de Bolsonaro produziu danos ao país e afastou investimentos, provocando fuga de dólares.

Themes
ICO