Brazil
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

STF compartilha com Justiça Eleitoral agravo do MPDFT relacionado ao processo contra Arruda

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) André Mendonça compartilhou um agravo do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) com a Justiça Eleitoral, referente ao caso envolvendo o ex-governador José Roberto Arruda por suposta corrupção de testemunha na Operação Caixa de Pandora.

O caso antes tramitou no Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT), mas uma decisão do próprio ministro, no ano passado, enviou o processo à 1ª Zona Eleitoral — anulando a condenação de Arruda na Justiça comum.

Nesse caso, Arruda chegou a ser condenado no processo, por ter oferecido R$ 200 mil ao jornalista Edson Santos, conhecido como “Edson Sombra”, para que ele mentisse em depoimento que faria como testemunha à Polícia Federal. O movimento, segundo a PF, ocorreu para que os investigadores não acreditassem em Durval Barbosa, delator do esquema e ex-integrante do governo.

O envio do agravo, por parte de Mendonça, atende a um pedido do juiz Lizandro Garcia Gomes Filho, que quer saber do teor da apresentação do MPDFT antes de prescrever ou não o crime. O Ministério Público Eleitoral (MPE) quer o arquivamento, por alegar não haver a possibilidade de punição contra os investigados. No entanto, o MPDFT quer que o caso volte à Justiça comum, por entender que o processo em nada envolve corrupção eleitoral.

Lizandro Garcia pediu que o MP Eleitoral opine, no prazo de 30 dias, a representação do MPDFT. A decisão se o processo voltará ou não a instância comum caberá ao próprio Mendonça.

Ao Correio, o advogado do ex-governador, Paulo Emílio, explicou que se trata somente de uma fase do processo. “Foi apenas o envio da cópia do agravo do MPDFT para a Justiça Eleitoral. O recurso será julgado pelo STF, mas a Justiça Eleitoral pediu a cópia”, disse.

O caso

Ao enviar o caso para a Justiça Eleitoral, Mendonça disse que o caso envolvia falsidade nos documentos, porque um dos objetivos do ex-governador era manter a elegibilidade para concorrer à eleição ao Palácio do Buriti. Filmado recebendo uma bolada de R$ 50 mil das mãos de Durval Barbosa, Arruda alegou que o dinheiro foi utilizado para compra de panetones, para atender a sua base eleitoral.

Para o MPF, Arruda forjou quatro documentos, na residência oficial do governador de Águas Claras. Uma perícia da Polícia Federal na impressora da residência comprovou que houve fraude no equipamento, com a impressão de documentos falsos.

Saiba Mais