Brazil

“Ultraliberalismo vai se acentuar na periferia do capitalismo”, diz Jones Manoel

O historiador e professor pontua que os Estados Unidos tentam ativamente destruir as capacidades produtivas de países periféricos do sistema capitalista, e alerta para o desmonte da indústria brasileira. “Eles querem sair desmontando qualquer capacidade de engenharia nacional, construção civil, refinaria, petróleo e gás, petroquímica, etc., para que tudo isso seja recentralizado lá, potencializando a força deles na competitividade com a China”. Assista:

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O historiador e professor Jones Manoel, em entrevista à TV 247, analisou o processo de aceleração do que chama de “ultraliberalismo” na América Latina, que destrói as indústrias nacionais e favorece o capital estrangeiro. Para ele, os Estados Unidos buscam ativamente reincorporar em sua economia as indústrias de países da periferia do sistema capitalista:

“Com o neoliberalismo, há um processo parcial de reconcentração das indústrias nos países centrais e no sudeste asiático, em particular na China. A política dos EUA nos últimos dez anos, que está ficando cada vez mais agressiva, é sair desmontando todas as capacidades produtivas e industriais restantes na periferia do sistema capitalista para reincorporá-las na sua economia nacional, potencializando o emprego e o desenvolvimento industrial ao nível interno”, disse.

Jones aponta que o desmonte da indústria brasileira é evidente nos governos Temer e Bolsonaro: “Quando os EUA desmontam a Odebrecht, para além de reduzir a concorrência no mercado internacional, eles querem que os empregos que a Odebrecht gerava aqui no Brasil sejam gerados pelos EUA. O que os governos Temer e Bolsonaro vêm fazendo? Eles vêm desmontando cada vez mais as refinarias brasileiras e comprando gasolina, diesel e querosene das refinarias dos EUA. Esse é o exemplo típico do que eles querem. Eles querem que saia se desmontando qualquer capacidade de engenharia nacional, construção civil, refinaria, petróleo e gás, petroquímica, etc., para que tudo isso seja recentralizado lá, potencializando a força deles na competitividade com a China”, explica.

Construção civil

O historiador prevê o aceleramento do desmonte do setor da construção civil, um dos únicos que permanece relativamente protegido do mercado financeiro estrangeiro. “Inclusive, eu aposto que daqui até o final do ano vai avançar um conjunto de projetos de lei para abrir o mercado brasileiro para investimento estrangeiro no setor da construção civil, que até hoje é um dos poucos que ainda tem alguma política de restrição ao capital estrangeiro. É um mercado mais nacional, porque as empresas de construção civil conseguiram garantir isso durante a ditadura. Já existe um discurso desde o governo Temer de abrir esse mercado para as multinacionais, e agora isso avança. Minha aposta é que vai se intensificar o ultraliberalismo na periferia do sistema capitalista”, conclui.

Inscreva-se na TV 247, seja membro e compartilhe:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Football news:

Griezmann spoke with Hamilton and visited the Mercedes boxes at the Spanish Grand Prix
Barcelona feels that Neymar used it. He said that he wanted to return, but extended his contract with PSG (RAC1)
Aubameyang to the Arsenal fans: We wanted to give you something good. I am sorry that we could not
Atletico did not lose at the Camp Nou. Busquets' injury is the turning point of the match (and the championship race?)
Verratti injured his knee ligaments in PSG training. Participation in the Euro is still in question
Neymar's contract in one picture. Mbappe wants the same one
Manchester United would like to sign Bellingham in the summer, not Sancho. Borussia do not intend to sell Jude