Brazil

Unicamp desenvolve novo teste para Covid-19 que promete ser rápido e barato

Ideia é detectar o vírus em levedura, que ganharia cor vermelha ao confirmar a infecção; exame em desenvolvimento analisa amostras de saliva ou de material coletado da nasofaringe de pacientes

Pesquisadores do Laboratório de Genômica e bioEnergia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) estão desenvolvendo um novo modelo de teste para diagnóstico da covid-19, chamado de Coronayeast, que promete ser rápido e barato. A ideia é detectar o vírus em levedura, que ganharia cor vermelha ao confirmar a infecção. O exame em desenvolvimento analisa amostras de saliva ou de material coletado da nasofaringe de pacientes.

A equipe já pediu a patente da invenção, o que garante exclusividade para explorá-la comercialmente. No entanto, ainda é preciso um financiamento de R$ 500 mil a R$ 1 milhão para levar o produto no mercado em até seis meses.

A ideia é inserir na levedura um gene que produz a proteína humana ACE-2, substância que facilita a entrada do SARS-CoV-2. Se há o vírus na amostra, após minutos de incubação, passa a ser abundante a presença de angiotensina 2, hormônio que é identificado por estruturas da levedura. O reconhecimento ativa genes que fazem a levedura ficar vermelha a olho nu e fluorescente.

A intensidade da fluorescência, que se nota apenas com auxílio de equipamentos, é proporcional à quantidade de vírus na amostra Leveduras são organismos unicelulares bastante usados na fabricação de alimentos e bebidas fermentadas, como pão e vinho. Apesar de serem microscópicas, elas crescem em culturas, agregando-se ao ponto de serem facilmente identificadas.

Segundo o professor titular do instituto de biologia da Unicamp Gonçalo Amarante Guimarães Pereira, que participa do projeto, o exame seria barato e poderia ser aplicado diversas vezes por dia, inclusive em casa. O custo de cada unidade ainda não foi estimado, mas a expectativa é de que a produção seja até 100 vezes mais barata do que de testes RT-PCR, tido como de "padrão-ouro" para o diagnóstico.

Os pesquisadores também aguardam o desenrolar dos estudos para apontar o tempo necessário para se chegar ao diagnóstico, mas a ideia é de que a coloração vermelha apareça na levedura em no máximo 4 horas. Se não há a presença do vírus, a levedura mantém a cor natural: bege-amarelada.

Segundo os responsáveis pelo invento, o Coronayeast é o primeiro biossensor de levedura para detecção de vírus que se tem notícia A ideia é usar a mesma lógica para detecção de outras doenças. Embora os experimentos preliminares indiquem que a precisão do teste ainda depende de um número exato de dias após a infecção, a expectativa dos pesquisadores é de que a sensibilidade do teste seja bastante alta. Isso seria uma vantagem sobre os testes RT-PCR, indicados para encontrar o RNA do vírus na fase aguda da doença, entre o 3º e 7º dia de sintomas, e o exame sorológico (teste rápido), que mostra anticorpos após o 8º dia.

"Mesmo que de forma intermitente, a doença deve permanecer até 2025. Por isso, acreditamos no potencial do teste para aumentar o controle da pandemia, até ajudando a reduzir período de reclusão", afirma Carla Maneira da Silva, estudante do mestrado em genética e biologia molecular da Unicamp.

Para o professor Pereira, o exame ainda teria a vantagem de ser de fácil distribuição, por não exigir diversos insumos para o funcionamento. Como o Estadão revelou, por falta de reagentes, cotonetes e outros instrumentos, há milhares de exames sem uso no País. Apenas o Ministério da Saúde estocava 9,85 milhões de testes RT-PCR, tidos como "padrão-ouro" para diagnóstico, até a última semana.

Aluno do pós-doutorado no laboratório da Unicamp, Fellipe da Silveira Bezerra de Mello afirma que o Coronayeast seria um importante legado da universidade pública. "Tem-se falado muito de vacina, mas a testagem é muito importante, principalmente na pandemia. Acho que o projeto ainda valoriza o trabalho científico neste momento", disse.

Football news:

Zinchenko and Bernardo Silva will not play against Wolves due to muscle injuries
Racism doesn't stand a chance. Milan against discrimination
Puig does not want to leave Barca and will fight for a place in the squad. Koeman advised him to go on loan
PSG can sign Khedira from Juventus
Ruediger may leave Chelsea. He wants to play regularly before the Euro
Tiago Silva: I am motivated by the chance to play at the 2022 world Cup. I will be about 38, I want to be fit
Arsenal announced the transfer of goalkeeper Runarsson from Dijon