Brazil

Wajngarten entrega à CPI prova de que Bolsonaro teria ignorado oferta da Pfizer

Jornal GGN – O ex-chefe da SECOM, Fabio Wajngarten, entregou à CPI da Pandemia, nesta quarta (12), uma cópia da carta que a representação da Pfizer no Brasil endereçou ao governo Bolsonaro oferecendo vacinas contra o novo coronavírus ainda em setembro de 2020. A carta, que pedia “celeridade” na resposta brasileira, ficou ao menos dois meses sem nenhuma resposta. Para a CPI, é uma prova de que Jair Bolsonaro esnobou a possibilidade de ter garantido doses do imunizante e acelerado o Plano Nacional de Imunização.

A carta foi entregue a Wajngarten em 9 de novembro de 2020 por Marcelo de Carvalho, dono da RedeTV!, “que naquela ocasião tinha uma apresentadora casada com o general manager [diretor-geral] da Pfizer.”

Além de Bolsonaro, receberam a carta o vice-presidente Hamilton Mourão, o ministro da Economia Paulo Guedes, o embaixador dos EUA no Brasil, Nestor Foster, e o então chefe da Casa Civil, general Braga Netto.

A carta da Pfizer dizia à cúpula do governo Bolsonaro que “a potencial vacina da Pfizer é opção promissora para ajudar seu governo a mitigar essa pandemia. Quero fazer todos os esforços possíveis para garantir que doses da nossa vacina sejam reservada à população brasileira. Porém, celeridade é crucial devido à alta demanda de outros países e ao número limitado de doses. Fechamos acordo com o governo dos EUA para oferecer 100 milhões de doses da nossa vacina, com opção de oferecer 500 milhões de doses adicionais.”

Segundo Wajngarten, o CEO da Pfizer conversou com ele ainda em 9 de novembro por telefone. Bolsonaro foi informado da ligação. O governo só veio a editar uma Medida Provisória que facilitaria a compra de imunizantes da Pfizer seis meses depois daquele encontro. Wajngarten não soube dizer se Bolsonaro procurou pessoalmente a Pfizer neste interím.

Publicamente, Bolsonaro vem alegando que rejeitou a Pfizer porque as cláusulas contratuais eram “leoninas” – havia exigência de que o resolução de conflito fosse em Nova York, isenção de responsabilização por qualquer efeito colateral e a necessidade de criação de uma Medida Provisória onde governo indicaria ativos e bens para resolução de conflitos internacionais.

Julgando-se capaz de ajudar a encurtar os caminhos para fechar o contrato com a Pfizer, Wajngarten conversou com a empresa por iniciativa própria, no “ímpeto de ajudar a população brasileira”. Em 17 de novembro de 2020, o CEO da Pfizer agradeceu pessoalmente a disposição de Wajngarten em um segundo contato. Em 7 de dezembro, a diretora jurídica da Pfizer apresentou a caixa de armazenamento da vacina ao chefe da SECOM e, no dia 12 de dezembro de 2020, no quarto contato, a mesma diretora prestou conta do status da discussão em torno dos impeditivos vislumbrados no contrato de adesão à compra de vacinas.

À CPI, Wajngarten disse que a reportagem da revista Veja que afirma que a oferta inicial era de 70 milhões de doses está equivocada. Segundo ele, a primeira oferta foi de “irrisórias” 500 mil doses de vacinas da Pfizer. O volume e o cronograma seriam uma preocupação do ex-SECOM, mas ele admite não ter avançado nas negociações.

Wajngarten ainda defendeu Bolsonaro na CPI, afirmando que recebeu uma assessoria do jurista Ives Gandra Martins sobre o tema, que informou que contratos de adesão da Pfizer não aceitam alterações.

Acompanhe aqui:

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Football news:

Scotland coach Clarke: There were a lot of good moments during the group stage, but no points scored
England are the most boring group winners in history. Two goals were enough! And at the World Cup, the Italians once became the first even with one
Dalic - to the fans after reaching the Euro playoffs: You are our strength, and we will be your pride
Modric became the youngest and oldest goalscorer in Croatia at the Euro
Czech Republic coach Shilgava: We came out of the group and fought with England for the first place. We got what we wanted
Gareth Southgate: England wanted to win the group and continue to play at Wembley-and it succeeded
Luka Modric: When Croatia plays like this, we are dangerous for everyone