Portugal

Alta comissária da ONU pede à Birmânia que deixe de “assassinar manifestantes”

O recurso à força e violência tem escalado para enfraquecer a mobilização contra a Junta Militar, com milhares de pessoas a saírem à rua diariamente.

Manifestantes bloqueiam uma estrada durante um protesto contra o golpe militar em Yangon, Birmânia STRINGER/Reuters

A alta-comissária da ONU para os Direitos Humanos pediu esta quinta-feira ao exército da Birmânia que deixe de “assassinar e deter manifestantes”. Desde o golpe de 1 de Fevereiro que foram contabilizados 54 mortos, 1.700 detidos e centenas de feridos.

“É extremamente chocante que as forças de segurança estejam a disparar munições reais contra manifestantes pacíficos em todo o país”, disse Michelle Bachelet, num comunicado divulgado esta quinta-feira. A alta-comissária admitiu ainda estar “chocada com os ataques a equipas médicas de emergência e ambulâncias que tentam prestar assistência às pessoas feridas”.

Os dados revelam que pelo menos 54 pessoas foram mortas por polícias e militares no último mês, mas a ONU deixou o alerta de que o número pode ser bem maior. Uma contagem da ONU indica que só na quarta-feira foram mortas 30 pessoas, uma foi morta na terça, 18 no domingo e cinco dos dias anteriores.

Segundo o Alto Comissariado, a informação recolhida aponta para que centenas de pessoas tenham fica feridas durante as manifestações, embora seja difícil de precisar quantas.

Quanto aos detidos, contabilizam-se mais de 1.700 pessoas que foram presas arbitrariamente, pela sua participação em manifestações ou pelo seu envolvimento em actividades políticas, segundo a ONU. Encontram-se, entre os detidos, deputados, activistas políticos, escritores, defensores dos direitos humanos, professores, profissionais de saúde, funcionários do governo, jornalistas e padres.

“Muitas das detenções arbitrárias feitas desde 1 de Fevereiro podem constituir desaparecimentos forçados”, disse Bachelet, pedindo que fossem libertados de imediato todos os que permanecem detidos arbitrariamente.

Apesar de a repressão dos protestos e a violência policial e militar se terem intensificado nos últimos dias, os manifestantes não desistem. Nas ruas, que se encheram em mais de 500 locais, manifestantes gritam “estamos unidos”, ao mesmo tempo que se protegem em barricadas improvisadas, erguidas com pneus velhos, tijolos, sacos de areia, bambu e arame farpado.

O dia 3 de Março foi o mais sangrento desde o assalto militar, vitimando 38 manifestantes. Os militares têm escalado o recurso à força para desmobilizar os protestos e a desobediência civil. O golpe militar, contra o qual a população se manifesta, aconteceu a 1 de Fevereiro, com o argumento de que houve fraude eleitoral nas eleições do ano passado.

Football news:

Real Madrid and City in the semi-finals of the Champions League, Akhmat asks for money, 10 matches for racism to the player of Slavia, clothes for the Olympians and other news
Real Madrid put together a killing center - Modric-Casemiro-Kroos-for just 60 million euros. Even Luka Jovic was worth more
Zidane on 0:0 with Liverpool: We rode the storm and can be proud of our performance
2 Premier League clubs will play in the semi-finals of the Champions League for the 2nd time in 3 seasons
Zinedine Zidane: There are many masters at Real Madrid, but most of all I like the character of the guys
Emre Can: We played against probably the best team in the world. We can be proud of ourselves
Pep broke the curse of the Champions League: he took City to the semi-finals for the first time in five years. Only 4 players remained at the club from the last (and first) time for the club