Portugal

Amazónia perdeu 2,3 milhões de hectares de floresta em 2020

A Amazónia perdeu 2,3 milhões de hectares em 2020, 17% a mais do que no ano anterior, o terceiro pior registo dos últimos 20 anos e o maior na Bolívia, Equador e Peru, segundo imagens de satélite.

Os dados foram divulgados, esta terça-feira, pelo Projeto de Monitorização da Amazónia Andina (MAAP, na sigla em inglês), uma iniciativa da organização não-governamental (ONG) Amazon Conservation.

A área de floresta amazónica perdida em 2020 entre os nove países monitorizados pelo MAAP (Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana francesa, Guiana, Peru, Suriname e Venezuela) é maior do que toda a extensão de um país como El Salvador.

Só em 2016 e 2017 é que os números foram superiores aos registados no ano passado, num momento em que, apesar da pandemia de covid-19, a desflorestação da Amazónia se intensificou.

Os países com a maior perda de floresta amazónica primária durante 2020 foram, por esta ordem, Brasil, Bolívia, Peru, Colômbia, Venezuela e Equador.

Mais de 65% da desflorestação de toda a Amazónica registada em 2020 ocorreu no Brasil, país com o maior território amazónico, que perdeu 1,5 milhões de hectares, 13% a mais do que no ano anterior.

A extensão desflorestada no Brasil é quase o dobro da superfície total de Porto Rico e é o sexto valor mais alto dos últimos vinte anos no país.

Pelas imagens de satélite observadas, as áreas desflorestadas no Brasil foram primeiro cortadas e depois queimadas, causando grandes incêndios devido ao corte abundante de biomassa, numa prática aparentemente ligada à expansão das pastagens para gado.

Tanto na Bolívia quanto no Peru, contabilizou-se um recorde histórico de desflorestação nos seus respetivos territórios amazónicos, com os maiores números das últimas duas décadas.

Na Bolívia, foram superados os 240 mil hectares, superando assim o recorde de 2017, principalmente devido aos incêndios ocorridos no sudeste, que devastaram as matas secas, conhecidas como os ecossistemas Chiquitano e Chaco.

O caso do Peru é semelhante, uma vez que perdeu 190 mil hectares de floresta virgem, 18% a mais do que 2019, um número nunca antes visto e que supera o recorde anterior de 2017.

O principal núcleo de desflorestação no Peru está na floresta central, entre as regiões de Pasco, Huánuco e Ucayali, causada principalmente pela agricultura migratória.

Nesses locais, os agricultores apoderam-se de pequenas parcelas de terreno, de um ou dois hectares, e queimam-no, o que diminui a fertilidade da terra, e, no ano seguinte, veem-se obrigados a repetir o processo em outra terra próxima.

Por sua vez, a Colômbia teve o segundo maior registo de perda de floresta primária na sua Amazónica, com quase 140.000 hectares desflorestados, 53% a mais face a 2019, segundo indicou à agência EFE o investigador do MAAP Matt Finer.

Por sua vez, o Equador perdeu 19.000 hectares de floresta Amazónia, também um recorde nacional de desflorestação, superando em 53% o registo do ano anterior.

O MAAP realizou essa análise com base em dados e imagens de satélite de 30 metros de resolução, produzidos pela Universidade de Maryland, nos Estados Unidos.

A investigação conta com o apoio da NORAD (Agência Norueguesa de Cooperação para o Desenvolvimento) e do ICFC (Fundo Internacional para a Conservação do Canadá).

Football news:

Griezmann spoke with Hamilton and visited the Mercedes boxes at the Spanish Grand Prix
Barcelona feels that Neymar used it. He said that he wanted to return, but extended his contract with PSG (RAC1)
Aubameyang to the Arsenal fans: We wanted to give you something good. I am sorry that we could not
Atletico did not lose at the Camp Nou. Busquets' injury is the turning point of the match (and the championship race?)
Verratti injured his knee ligaments in PSG training. Participation in the Euro is still in question
Neymar's contract in one picture. Mbappe wants the same one
Manchester United would like to sign Bellingham in the summer, not Sancho. Borussia do not intend to sell Jude