logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo
star Bookmark: Tag Tag Tag Tag Tag
Portugal

Aniversário da morte de Arafat adensa conflito entre Hamas e Fatah

As cerimónias para assinalar a morte de Yasser Arafat adensaram o conflito entre as duas grandes facções palestinianas, a Fatah e o Hamas, num momento em que decorriam negociações para a realização das primeiras eleições em 14 anos na Autoridade Palestiniana.

No sábado, a Fatah (a facção de Arafat e do presidente da Autoridade Palestiniana, que governa a Cisjordânia) assinalou os 15 anos da morte do líder histórico com uma marcha em Ramallah, a cidade onde morreu no dia 11 de Novembro de 2004. Líderes e apoiantes, com bandeiras amarelas e retratos de Arafat, percorreram as ruas da cidade, até à casa onde o líder morava e morreu.

As manifestações organizadas para Gaza (uma na quinta-feira passada e outra esta segunda-feira), porém, foram proibidas pelo Hamas, que governa a Faixa. 

A proibição surgiu num momento em que as duas partes se estavam a entender para a realização de eleições legislativas e para a presidência da Autoridade Palestiniana, uma iniciativa de Abbas a que os dois partidos aderiram.

Segundo Mahmoud al-Aloul, vice-presidente da Fatah, a proibição foi uma surpresa, mas o partido mantém o optimismo sobre as negociações para a realização de eleições - as primeiras em 14 anos e que, há poucos meses, pareciam que não iriam acontecer, pelo menos durante o tempo de vida de Abbas, segundo o Jerusalem Post.

“Mas o Hamas tomou esta decisão insensata e inesperada de proibir a celebração de Arafat”, disse Aloul.

Outro alto representante da Fatah, Fayez Abu Aytah, disse, citado pelo jornal israelita, que o Hamas foi avisado sobre as manifestações e que a decisão de as proibir contradiz a sua posição anterior de apoiar a realização de eleições.

“Por um lado, apoiam a decisão do Presidente Abbas de realizar eleições. Por outro, impedem o nosso povo de participar nas iniciativas para assinalar os 15 anos da morte de Arafat”, disse Aytah.

Na quinta-feira, uma delegação do Hamas esteve no Cairo para conversações com os serviços secretos egípcios sobre as eleições palestinianas. Esta visita seguiu-se a uma série de consultas na Faixa de Gaza com a Comissão Eleitoral Palestiniana, que está a mediar o contacto entre Abbas e o Hamas.

Mahmoud al-Aloul defendeu que a proibição das manifestações organizadas pelo Fatah em Gaza mostram que a receptividade do Hamas às eleições são apenas “slogans”. O movimento, disse, está a enviar “mensagens frustrantes e irracionais”.

Arafat, que foi presidente da Autoridade Palestiniana e da Organização de Libertação da Palestina, morreu a 11 de Novembro de 2004. Tinha 75 anos e a sua morte fez eclodir várias teorias, uma delas sobre um eventual envenenamento.

Themes
ICO