Portugal
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

Conduzir aos 16 anos? Em Espanha pode ser verdade já a partir de 2023

A partir de 2023, os jovens espanhóis de 16 e 17 anos podem conduzir automóveis eléctricos de potência até 15 quilowatts. A medida, que visa melhorar a mobilidade urbana e aumentar as opções de transporte em zonas rurais, está a ser recebida com polémica pela velocidade máxima a que os jovens podem circular: 90 quilómetros por hora.

Foto

Why Key/Unsplash

Segundo as previsões da Direcção Geral de Trânsito espanhola, já em 2023 será possível vermos jovens maiores de 16 anos a conduzirem automóveis eléctricos, desde que tenham potência máxima de 15 quilowatts.

Para poderem pôr mãos ao volante, os jovens espanhóis terão de obter uma nova carta de condução de denominação B1, um intermédio entre as cartas AM (que permite que jovens conduzam ciclomotores a partir dos 15 anos) e B (que permite conduzir, a partir dos 18 anos, automóveis, triciclos e quadrículos, entre outros).

A medida está incluída na Estratégia de Segurança Rodoviária 2030 da DGT e tem como objectivo melhorar a mobilidade urbana e dar respostas às necessidades de populações em zonas rurais e com menor densidade populacional. No entanto, está envolta em polémica devido à velocidade a que os jovens podem conduzir: 90 quilómetros por hora.

Ao El País, Luis Montoro, catedrático em Segurança Rodoviária na Universidade de Valência, alertou para os perigos de circular à velocidade máxima permitida: “É uma velocidade muito séria. A 90 quilómetros por hora, um atropelamento é, praticamente, sempre mortal”. No mesmo jornal, o presidente da Confederação Nacional das Escolas de Condução, Enrique Francisco Lorca, reforçou que “tem de haver um bom treino”. Acrescenta que o exame prático de condução deverá fazer-se em estradas reais para que os jovens “enfrentem o trânsito em que vão entrar mais tarde”.

Em Espanha, as cartas AM e A1 (motociclos até 125 centímetros cúbicos) somaram, em 2020, 28.021 licenças entre jovens dos 15 aos 17 anos. Um estudo da Fundação Línea Directa revelou que a mortalidade entre condutores jovens diminuiu 41% na última década, embora sofram 37,5% mais acidentes. Destes, são responsáveis por 62%.

Texto editado por Ana Maria Henriques