logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo
star Bookmark: Tag Tag Tag Tag Tag
Portugal

Ex-presidente do Sudão comparece sob prisão na procuradoria de Cartum

O antigo homem forte do Sudão foi transportado desde a prisão por uma coluna de veículos militares e membros das forças de segurança fortemente armadas, referiu a agência noticiosa AFP.

"O acusado Omar al-BAshir foi [...] informado das acusações que lhe são dirigidas, pela posse de divisas estrangeiras, corrupção e receção de prendas de forma ilegal", indicou aos jornalistas um responsável da procuradoria, Aladdin Dafallah.

As atas de acusação foram lidas a Al-Bashir na presença do seu advogado, segundo este responsável, e o indiciado regressou à prisão no fim de alguns minutos.

No poder desde 1989 após dirigir um golpe de Estado, Al-Bashir foi destituído e preso pelos militares em 11 de abril em Cartum, sob pressão do inédito movimento de contestação desencadeado em dezembro pela triplicação do preço do pão.

Na quinta-feira, a agência noticiosa oficial sudanesa Suna tinha anunciado que Al-Bashir estava indiciado por "posse de divisas estrangeiras, aquisição de riquezas de forma suspeita e ilegal e de ter ordenado o estado de emergência".

Em 21 de abril, o general Abdel Fattah al-Burhane, chefe do conselho militar de transição no poder desde a destituição de Omar al-Bashir, afirmou que o equivalente a mais de 113 milhões de dólares (100 milhões de euros) foram apreendidos em dinheiro na residência do presidente deposto, em Cartum.

Al-Bashir é ainda alvo de inquéritos judiciais pela morte de manifestantes durante a repressão da contestação e de mandados de detenção pelo Tribunal Penal Internacional (TPI) que pretende que responda por genocídio, crimes contra a humanidade e crimes de guerra pelo conflito no Darfour (oeste), que segundo a ONU provocou cerca de 300.000 mortos.

Os militares no poder já referiram, no entanto, que não pretendem entregá-lo ao TPI.

Após a queda de Omar al-Bashir, milhares de manifestantes permanecem mobilizados e mantêm uma concentração frente ao quartel-general do exército em Cartum, exigindo que os militares cedam o poder aos civis.

Em 03 de junho, este protesto foi disperso segundo testemunhas por homens armados com fardas militares. A repressão prosseguiu durante vários dias.

De acordo com um novo balanço hoje divulgado por um comité de médicos, 128 pessoas foram mortas desde 03 de junho. As autoridades referiram-se a 61 mortos.

"Trabalhamos intensamente para enviar para enforcamento os que fizeram isso", disse hoje o número dois do regime, general Mohammed Hamdan Daglo, designado "Hemeidti".

Este general esteve na liderança das Forças de apoio rápido (RSF), paramilitares acusados pelos líderes da contestação e Organizações Não Governamentais de estarem na origem da violenta dispersão.

"Em relação à dispersão da concentração, não vamos desiludir-vos, nem desiludir as famílias dos mártires", assegurou num discurso transmitido pela televisão pública.

Na quinta-feira, o Conselho militar lamentou pela primeira vez os "erros registados" durante a dispersão, mas assegurou não ter ordenado a repressão e precisou que o objetivo da operação era outro.

O porta-voz do Conselho militar, general Chamseddine Kabbachi, afirmou que o objetivo inicial consistia em expulsar os elementos "criminais" num setor designado Colombia, perto do local do protesto.

"A operação de Colombia foi planificada pelas autoridades militares e de segurança", indicou na noite de sábado o Conselho militar em comunicado.

"Sublinhamos a nossa vontade de obter toda a verdade, passo a passo, através da nossa comissão de inquérito", acrescentou, numa referência à investigação desencadeada pelos militares.

No sábado, o porta-voz da comissão de inquérito, Abderrahim Badreddine, indicou que o seu relatório não estava terminado, mas revelou as conclusões preliminares, onde se refere que "oficiais e soldados entraram no local do 'sit in' sem ordem dos seus superiores".

No entanto, no Sudão e no estrangeiro multiplicam-se os apelos para um inquérito independente. Hoje, o chefe do Conselho militar recebeu o secretário-geral da Liga Árabe, Ahmed Aboul Gheit.

O Sudão regista uma das mais elevadas taxas mundiais de corrupção e está colocado no 172.º lugar, entre 180 países, segundo o relatório 2018 da Transparancy International.

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

All rights and copyright belongs to author:
Themes
ICO