logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo
star Bookmark: Tag Tag Tag Tag Tag
Portugal

Mariscadores contra novos viveiros na ria Formosa

A comunidade piscatória da ilha da Culatra, em Faro, contestou este domingo a intenção da instalação de uma exploração aquícola para produção de ostras e amêijoa-boa na ria Formosa, cujo pedido de construção, feito pela empresa Bivalvia - Mariscos da Formosa, já foi entregue na Direção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimas.

"Vemos no concessionamento comercial requerido para uma área de cerca de 10 hectares nada mais do que um objetivo empresarial de exploração intensiva e exaustiva do frágil ecossistema da ria", referiu a Associação de Moradores da Ilha da Culatra.

A comunidade piscatória entende ainda que, se o projeto andar para a frente, vai pôr em causa a "preservação de um equilíbrio natural" que é "responsável pela única forma de subsistência de muitos viveiristas e mariscadores" que não têm qualquer tipo de concessão viveirista.

PORMENORES 
Riqueza natural
O local na ria Formosa onde querem instalar a exploração viveirista é uma área identificada como zona de banco natural de moluscos bivalves. Vai ocupar uma área de 10 hectares no Parque Natural da Ria Formosa e será destinada ao crescimento de ostra portuguesa e japonesa, bem como de amêijoa-boa.



Ria de Alvor
Para a ria de Alvor, no concelho de Portimão, há também um pedido para a exploração de ostras e amêijoa-boa, numa área de 0,7 hectares, apresentado pela empresa Alvostral.
Themes
ICO