Portugal

Sob o signo da Lua: a alunagem foi há 50 anos 

Foram oito dias em viagem. Ao aproximarem-se daquele satélite que há tanto tempo exercia tamanho fascínio sobre a humanidade, contam que sentiram um cheiro a cinzas molhadas na lareira. O trio de homens que arriscou aquela passagem, prometida desde o início da década e do discurso mítico de John F. Kennedy, haveria de regressar como heróis de carne e osso. A passagem de lá para cá e de cá para lá repetir-se-ia ainda durante três anos – mas, em 1972, Eugene Cernan tornava-se o último comandante de uma missão tripulada à Lua.

Agora, 50 anos depois desse momento que o planeta acompanhou pela televisão, prepara-se uma festa à escala mundial. Com toda a pompa e circunstância. Um dos momentos mais esperados é o lançamento de um novo vídeo de Space Oddity, música de David Bowie dedicada à odisseia espacial e que agora também está a celebrar a meia centena de anos. Mas desde os primórdios da civilização que o astro tem a maior das influências nas nossas vidas.

A Lua dos mitos

Acredita-se que, na pré-história, o homem prestava culto a uma deusa representada pela lua. Mais tarde, tanto a mitologia grega como romana teve a sua deusa lunar – chamasse-se Selena ou Artemis. Além do peso na astrologia, no imaginário popular também é comum encontrar quem relacione as fases da lua com a menstruação, a loucura ou o crescimento do cabelo. Mas o maior mito é o que diz que 'O homem nunca foi à lua' e que tudo não passou de uma farsa.

A Lua do universo infantil

É, sem dúvida, uma musa imbatível das mais variadas histórias de fantasia. Se na literatura, no cinema, nos sonhos e na tradição oral, ela é uma presença encantada mágica - no reino das crianças é ainda mais. Não por acaso, em muitos desenhos animados, ela aparece em forma de queijo, associação que é feita desde, pelo menos, o século XVI. Tanto o cãozinho Snoopy como o intrépido repórter Tintim já “estiveram” na Lua. No universo da Marvel, existe ainda a figura do Vigia, ser que habita a Lua, de onde tudo observa, sob o juramento de jamais interferir.

A Lua da ficção científica

A Lua foi também o cenário escolhido por excelência por uma série de autores da melhor ficção científica - de Júlio Verne a Isaac Asimov, de H.G.Wells a Arthur C. Clarke. E tanta imaginação futurista produziu ainda outros clássicos como Viagem à Lua, de Georges Méliès, um original de 1902, o primeiro filme do género também a incluir alienígenas, com recursos inovadores da animação e efeitos especiais, como a famosa cena da nave a pousar no "Homem da lua".


A Lua das histórias de terror

É na Lua Cheia que o lobisomem se revela, além de uma outra série de fenómenos sobrenaturais. É nas Super-Luas que aumenta o risco de tsunamis. Os loucos são apelidados de lunáticos - porque se julgam que o estado anímico piora com a Lua. Em geral, durante a Lua Cheia há mais criminalidade violenta. Nada que a ciência possa comprovar. Mas não esquecemos nunca aquele momento do vídeo de Thriller, o maior êxito musical de Michael Jackson, em que o cantor se transforma numa fera perigosa quando a lua surge no céu.

A lua inspiradora

Incontáveis histórias de amor começam com a Lua - e a arte sempre imitou a vida. Em poemas e músicas, em filmes e afins. A lista é deveras impressionante: de Fly me to the moon, imortalizado na voz de Frank Sinatra, com uma dedicatória ao feito desse ano de 1969, a Man on the Moon, dos R.E.M. No cinema, é histórica a cena de E.T. em que a bicicleta voa com a Lua em fundo.

JoAnn Morgan, a única mulher que esteve no centro de controlo da missão que levou a Apolo 11 à lua, aqui com a equipa que acabou a chefiar no Centro Espacial

JoAnn Morgan, a única mulher que esteve no centro de controlo da missão que levou a Apolo 11 à lua, aqui com a equipa que acabou a chefiar no Centro Espacial

E as mulheres que fizeram a diferença na ida à lua

Na senda da saga de Katherine Johnson, Dorothy Vaughan e Mary Johnson, as três primeiras engenheiras negras da NASA, a quem a agência acaba de prestar homenagem – cujo trabalho seria imprescindível para colocar em órbita o primeiro astronauta americano, John Glenn, em 1962 - no final da década, a honra caberia a JoAnn Morgan, de 28 anos, a única mulher a trabalhar como controlador de instrumentação para a missão e permitida na sala onde decorreu a descolagem histórica da Apollo 11, quatro dias antes da alunagem. Um dos grandes desafios que teve de ultrapassar, como única mulher num edifício de homens, foi a falta de uma casa de banho para mulheres – e alguns telefonemas obscenos.

“Mas nunca me deixei sentir como um objeto”, contou JoAnn, hoje com 78 anos, há poucos dias à CNN – depois de confessar que sempre preferiu fazer experiências químicas a brincar com bonecas. Uma carreira que também descolou na NASA depois da Apollo 11: foi a primeira executiva sénior do Centro Espacial Kennedy, em Cabo Canaveral.

Football news:

Should we cut off our hands? This madness. Atalanta almost nailed Juve, but lost the victory due to two penalties
Director Of Juventus Partici: Dybala is a very important player for us
Arturo Vidal: Barcelona remained in the race for the title. This is the main thing
It is important for Chelsea to get into the Champions League to convince Havertz
Sterling on the record for goals in a season: we Want to win the Champions League and the FA Cup, otherwise they won't mean anything
Sheffield will finish the Premier League season without defeats from clubs from London. 22 points in 10 games and 5 home wins
Bonucci on Juve's draw with Atalanta: We must look at the result. This is how Championships are won