logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo
star Bookmark: Tag Tag Tag Tag Tag
Portugal

Um espetáculo sobre o peso da escravatura

Manuel Pureza diz que a única pessoa que tinha convidado para ver o seu espetáculo era José Mário Branco. Mas o cantor de intervenção morreu antes da estreia da peça ‘Inimigos da Liberdade’, com que o conhecido realizador – e também irmão do deputado José Manuel Pureza, do Bloco de Esquerda – se estreia no teatro. A peça, já em cena na Sala Estúdio do Teatro da Trindade, em Lisboa, ganhou o Prémio Miguel Rovisco – Novos Textos Teatrais, do Inatel, e conta a história de três escravos que, todos os dias, transportam pedras de um lado para o outro.

Manuel Pureza admite que a inspiração para o texto lhe veio de observar a realidade laboral portuguesa. A constatação de que andava a trabalhar demais – e sem tempo para ver crescer o filho – levou-o a fazer uma pausa. E a investir na escrita para teatro. "Escrevi a peça muito depressa, no período de uma semana, mas já tinha as ideias a carburar há sete anos", contou ao CM. "Depois convidei atores com quem já tinha trabalhado (Cristóvão Campos, João Craveiro e João Vicente) e entreguei-lhes esta responsabilidade", acrescenta.

Manuel Pureza, que admite regressar ao teatro após esta "aventura", diz que a peça revela a sua própria perplexidade quanto à aceitação do papel do escravo por parte do próprio. "Quando as grilhetas se quebram, eles hesitam em abraçar a liberdade. Porquê?"

Uma reflexão para fazer até dia 29, última sessão do espetáculo no Teatro da Trindade.

Themes
ICO