Paraguay

MS.Vigilância investiga mortes de quem tomou vacina, diz diretora

Causa das mortes de pacientes em MS não está relacionada à aplicação do imunizante

Vigilância em Saúde de Mato Grosso do Sul já estuda mortes que ocorreram após vacinação contra a Covid-19. Segundo a diretora do Hospital Regional de Mato Grosso do Sul (HRMS), Rosana Leite, o hospital já notificou casos, no entanto, a causa não está relacionada ao imunizante.

Leite explica que a Vigilância em Saúde do Estado já utiliza um questionário para estudar os casos, com doses da vacina, período da imunização e infecção pelo vírus. Entretanto, ainda não foram repassados os resultados com número de casos ocorridos no Estado.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
De acordo com Leite, ao menos três pacientes do hospital já morreram após receberem o imunizante.

O primeiro caso foi de um homem idoso que havia tomado a vacina há menos de uma semana, e por isso contraiu o vírus antes de ter uma resposta imunológica suficiente.

O segundo caso foi de uma funcionária do Hospital que recebeu apenas a primeira dose do imunizante.

“Uma funcionária tomou só a primeira dose, já era para ter algum tipo de imunidade mesmo sem chegar a tomar a segunda. E teve um colega médico que trabalhava aqui no hospital que morreu na última semana e já tinha tomado as duas doses, mas por conta de complicações faleceu pela doença”, relata.

A infectologista, Ana Lúcia Lyrio, responsável pelos testes da Coronavac no Estado, destaca o caso do médico pediatra Virgílio Gonçalves de Souza, que já havia recebido a vacina contra a Covid-19 e morreu no dia 14 de abril, após complicações da doença. Segundo a infectologista, o médico utilizava medicamentos imunossupressores, que reduzem a eficiência do sistema imunológico.

“Ele não consegue ter defesa. A morte tem correlação com a medicação em uso no paciente, imunossupressão. Tem de continuar cuidando, porque a pessoa pode precisar de internação e não ter vaga e morrer porque não conseguiu tratar”, explica.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde (Sesau), Souza estava internado no hospital Unimed e possuía doenças autoimunes. O médico trabalhava no Hospital Regional e fazia plantões da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Coronel Antonino.

EFICÁCIA
Atualmente, o Estado conta com dois imunizantes contra a Covid-19, a Coronavac, produzida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chines Sinovac, e a Astrazeneca, produzida pela Universidade de Oxford.

De acordo com a infectologista, Mariana Croda, a vacina do Butantan apresenta eficácia geral de 50,38% nos testes brasileiros, possui uma variação de 83,7% de eficácia nos casos moderados e graves e é 78% eficaz nos casos leves da Covid-19. Isto quer dizer que com a aplicação das duas doses da vacina, há grande probabilidade de redução do número de internações pela doença.

A eficácia geral da Astrazeneca apresentada nos testes foi de 79% nos casos sintomáticos após aplicação das duas doses.

No entanto, Croda ressalta que ainda não há dados conclusivos a respeito da eficácia da Astrazeneca no Brasil.

VARIANTES
No Estado, um grupo de pesquisadores da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) realizou estudos sobre a variante P.1. De acordo com os dados apresentados, a nova cepa atingiu 82% das 38 amostras analisadas entre os dias 6 a 9 deste mês.

A equipe representada pelos pesquisadores Júlio Croda, Ana Rita Coimbra e James Venturini explicou que a P.1 possui maior transmissibilidade, atinge a população mais jovem, apresenta uma evolução mais rápida e causa maior gravidade da doença, além de diminuir a efetividade das vacinas.

No Brasil, circulam principalmente três variantes do coronavírus, a britânica (B.1.1.7), a sul-africana (B.1.351) e a brasileira (B.1.1.28). Da brasileira surgiram a P.1 (de Manaus), considerada a mais agressiva, e a P.2 (do Rio de Janeiro).

Na semana passada, o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, anunciou a eficácia da Coronavac em neutralizar e impedir a infecção pelas variantes que surgiram no Reino Unido, na África do Sul e no Brasil. Uma pesquisa da universidade britânica de Oxford mostrou que a vacina da farmacêutica Astrazeneca também é eficaz contra as variantes mais conhecidas e transmissíveis do coronavírus, principalmente a brasileira.

Assine o Correio do Estado

Football news:

Guardiola on Man City before the Champions League final: I didn't talk about Chelsea for a second. We're thinking of Brighton
Cristiano Ronaldo: Someone can have one or two great seasons. The really strong ones are the ones who are good year after year
Real Madrid is the most expensive football brand in the world. Barcelona-second, Manchester United-third (Brand Finance)
Draxler has extended his contract with PSG until 2024
Tottenham value Kane at 150 million pounds and do not want to let him go to the Premier League club
Real Madrid are unlikely to extend their contract with Ramos if Varane stays at the club
The Government of the Russian Federation has allocated more than 1 billion rubles for the preparation and holding of International competitions