Sao Tome
This article was added by the user . TheWorldNews is not responsible for the content of the platform.

Adeus: eterna “Mãe Aida”!

O desporto são-tomense ficou mais pobre com o passamento físico da Aida Vicente Sousa, a primeira mulher a liderar uma federação desportiva em São Tomé e Príncipe. Aida Quaresma, como era carinhosamente conhecida, liderou com brilho e zelo a federação do Andebol, naquele que foi considerado por muitos amantes da modalidade, como uma das melhores administrações do organismo desportivo. Nos últimos anos ocupou a vice-presidência do Comité Olímpico de São Tomé e Príncipe.

Depois de muitas vitórias com sacrifício, onde a Aida fez valer o seu espírito de guerreira e batalhadora, quis o destino que no último embate da sua vida, pudesse faltar força e fôlego para sair vitoriosa. Aos 65 anos Quaresma deixou a família desportiva triste e de coração vazio.

Aida partiu fisicamente, mas os seus feitos, caráter e paixão por aquilo que fazia, estarão sempre na memória da família desportiva, frisou o jornalista desportivo Gil Vaz, que por diversas ocasiões cruzou e trocou impressões com a malograda.

“É com surpresa que recebi esta notícia. Não quis acreditar, porque nada previa este triste acontecimento. Estou de coração partido. Para mim a Dona Aida estará sempre viva, porque ela deixou um enorme legado. O desporto são-tomense ficou mais pobre, porque perdemos alguém que fazia o desporto com paixão”.

Gil Vaz não tem ambiguidade que a Aida Sousa é um exemplo a seguir pelos dirigentes desportivos, pela forma de ser e estar no desporto.

Dona Aida era um exemplo, vivia o desporto com entusiasmo, quer faça chuva ou sol, lá estava sempre para dar a sua contribuição. Para ela não existia obstáculo. Tinha solução para tudo, até mesmo quando parecia não ter solução. Ela era mais do que uma dirigente, era uma amiga e conselheira. Tenho orgulho de ter cruzado com a mesma. Vou sentir muita falta dos seus conselhos”.

O desejo de um dia ver o desporto como o fator da unidade nacional, debatido várias vezes por Aida não morre com o seu passamento, deve ser a porta-bandeira de todos os fazedores do desporto são-tomense, com o propósito de honrar o esforço da incansável, batalhadora, dinâmica, amiga, criativa, humilde…Aida Vicente Sousa, sustentou Vaz.

Toda a equipa do jornal Téla Nón, consternada com o acontecimento, aproveita a ocasião para endereçar aos familiares e amigos mais próximos, o sentimento de pesar e de dor por este desaparecimento.

Mais uma voz desportiva que se cala…..Mãe Aida!!

Martins dos Santos