logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo
star Bookmark: Tag Tag Tag Tag Tag
Brazil

Câmara aprova urgência e deve votar pacote anticrime ainda hoje

A proposta que vai ser apreciada pelo plenário é baseada no relatório do grupo de trabalho formado para analisar as propostas do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes e do ministro da Justiça, Sergio Moro. Durante as discussões, a maior parte das proposições de Moro foram rejeitadas

247 - A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (4) o regime de urgência para o pacote anticrime para acelerar a tramitação da proposta que poderá ir a votação do plenário ainda esta noite.  A informação é do Globo.

A proposta que vai ser apreciada pelo plenário é baseada no relatório do grupo de trabalho formado para analisar as propostas do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes e do ministro da Justiça, Sergio Moro. Durante as discussões, a maior parte das proposições de Moro foram rejeitadas.

"Nós vamos derrotar hoje o ministro Sergio Moro", afirmou o líder do PCdoB, Orlando Silva (SP), ao encaminhar voto favorável à urgência.

Entre as propostas aprovadas pelo grupo de trabalho está a criação do  “juiz de garantia” , responsável pelo controle da legalidade da investigação criminal, diferente do juiz que dá a sentença no processo. 

O pacote estabelece mudanças no Código Penal, na Lei de Execução Penal e outras leis que tratam de temas relacionados à segurança pública. O grupo também aprovou o aumento do tempo máximo de cumprimento de pena de 30 para 40 anos e a ampliação da chamada "transação penal", que permite a substituição de pena em crimes de menor gravidade. 

Entre as propostas de Moro que foram rejeitadas pelo grupo está o chamado excludente de ilicitude, que para muitos parlamentares representava a licença para matar, pois isentava de punição policiais e militares por crimes praticados em atividades.

Moro também tentou incluir a prisão após condenação em segunda instância no pacote, mas o tema foi descartado pelo grupo de trabalho.

Themes
ICO