logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo
star Bookmark: Tag Tag Tag Tag Tag
Brazil

Celso Amorim sobre queda de Evo: “golpe de estado com participação de forças internacionais”

Ex-chanceler reage com indignação ao que chamou de golpe contra o presidente da Bolívia, Evo Morales, que renunciou à presidência após pressão das Forças Armadas. Em entrevista à jornalista Denise Assis, ele define como “uma reação da direita internacional aos avanços das forças progressistas na América do Sul”

Por Denise Assis, para o Jornalistas pela Democracia - Ao tomar conhecimento da notícia da renúncia do presidente boliviano, Evo Morales, Celso Amorim, o ex-chanceler e ex-ministro dos governos de Lula e Dilma Rousseff, respectivamente, reagiu com indignação. Recém-chegado de uma reunião do Grupo de Puebla*, onde se discutiu exatamente as manifestações populares nos países vizinhos, como Chile, Equador e Peru, Amorim condenou com veemência o que classificou de “golpe de estado com participação de forças internacionais”.

Evo Morales, presidente da Bolívia, foi levado à renúncia, em mais uma investida de forças internacionais na América do Sul, sob ataques de lawfare - uma forma de guerra com o uso emprego de manobras jurídico-legais como substituto de força armada, visando alcançar determinados objetivos de política externa ou de segurança nacional. 

Para Celso Amorim, a queda de Evo Morales em um momento em que a Bolívia cresce a índices de países desenvolvidos “é uma reação da direita internacional aos avanços das forças progressistas na América do Sul”. Ele citou como exemplo a vitória de Alberto Fernández, na Argentina, e lembrou que até mesmo a libertação do ex-presidente Lula pode ter influído e levado temores à direita, “sempre receosa da força de dirigentes com as característica de Evo Morales”. E nomeou os motivos, em sua opinião levaram à queda do dirigente: “é um sindicalista, indígena, com um notável trabalho em defesa dos trabalhadores e é um progressista”.

Embora frise que não tem informações a respeito, e não possa fazer afirmações a respeito, o ex-chanceler destacou notícias que circularam mais cedo em publicações no Brasil, de que há suspeitas da participação do governo Bolsonaro no golpe que levou o presidente boliviano á renúncia. “Não me espantaria. A nossa postura é muito belicosa com relação aos governos progressistas. O que surpreende é a rapidez com que o golpe se consumou. “O presidente Evo disse ontem que concordaria com a realização de novas eleições - colocadas sob suspeição pela Organização dos Estados Americanos – OEA. Não havia, portanto, motivo para derrubá-lo. Isso prova que foi um golpe autêntico”, concluiu. 

*O Grupo de Puebla se propõe a ser um contrapeso aos governos de direita que dominam o cenário político da América Latina. A região experimenta uma nova onda de governos neoliberais que insistem em promover os interesses e privilégios de uma elite socioeconômica às custas do desenvolvimento de nossos povos, frustrando suas possibilidades de desenvolvimento e bem-estar social, e enfraquecem as instituições democráticas, o estado de direito, a validade dos direitos humanos e do meio ambiente", diz a declaração do grupo.

Conheça a TV 247

Themes
ICO