logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo
star Bookmark: Tag Tag Tag Tag Tag
Brazil

Cientistas brasileiros desenvolvem molécula contra insuficiência cardíaca

Um grupo de pesquisadores da Universidade de São Paulo e da Universidade Stanford, dos Estados Unidos, desenvolveu uma molécula capaz de frear o avanço da insuficiência cardíaca e ainda melhorar o funcionamento do coração.

O resultado foi obtido em ratos, mas mostra que a molécula tem potencial para ser investigada como um futuro fármaco. Hoje já existem remédios para tentar retardar a insuficiência, uma doença degenerativa – que pode ter início após um enfarte, hipertensão ou Doença de Chagas – que faz com que o coração deixe de bombear o sangue como deveria.

“Mas com o que temos hoje de tratamento, em média 50% dos pacientes morrem cinco anos após o diagnóstico. Seria pior sem os remédios que existem, mas ainda não é o ideal”, afirma Julio Cesar Batista Ferreira, pesquisador do Instituto de Ciências Biomédicas da USP e líder do trabalho.

A nova molécula trouxe desempenhos melhores que isso, ao recuperar o funcionamento do coração nos animais. Os resultados do estudo foram publicados na edição desta sexta-feira, 18, da revista Nature Communications.

A pesquisa teve início com um plano: descobrir o que causa o sofrimento do coração, qual é o mecanismo que faz ele ficar insuficiente. No pior estágio da doença, o coração bombeia tão pouco sangue, que o paciente precisa fazer um transplante.

A equipe liderada por Ferreira estudou, então, amostras de coração de indivíduos que tinham insuficiência e precisaram de transplante. Eles descobriram, então, que uma molécula tinha um papel fundamental para prejudicar o funcionamento do órgão, a Beta2PKC. E, a patir disso, desenvolveram a SAMbA, sigla em inglês para Antagonista Seletivo da Associação de Mitofusina 1 (mfn1) e Beta2PKC.

Para explicar a sopa de letrinhas, Ferreira inventou uma metáfora de um office boy trabalhando em uma empresa. “A empresa, no nosso caso, é a célula cardíaca. Nela trabalha um office boy, que aqui representa a Beta2PKC. Ele anda por todos os corredores da empresa e faz a conexão entre todos os diferentes setores. Essa conexão é importante para que todos funcionem bem”, explica o pesquisador.

“Mas descobrimos que o office boy tem uma predileção por um setor da empresa, ele é amigo do diretor financeiro, o mfn1, que, em vez de fazer seu trabalho, fica o dia inteiro conversando com o office boy. Seu setor inteiro deixa de funcionar por causa disso. O setor, no caso da nossa célula, é a mitocôndria, que fica impedida de produzir energia para a célula”, continua Ferreira.

O que os cientistas fizeram foi bolar uma maneira de impedir essa conexão entre o office boy e o diretor do financeiro. A SAMbA impede que a Beta2PKC se ligue ao mfn1, mas continue fazendo o seu trabalho no resto da célula. Nos ratos usados no estudo, a molécula foi administrada diariamente neles um mês após serem induzidos a um ataque cardíaco.

“Depois de dois meses, a SAMbA não só freou a progressão da doença como melhorou a função do coração, comparado com a situação do órgão antes do tratamento”, explica Ferreira.

A molécula já foi patenteada pelos cientistas. “O próximo passo agora é deixá-la disponível para outros pesquisadores testarem em outros modelos e buscar parceiros para tentar transformar a molécula em um fármaco. É um processo longo, que pode chegar a dez anos, mas é uma molécula que tem potencial”, complementa.

Themes
ICO