Brazil

Dívida pública bruta chegará a 96% do PIB neste ano, segundo o governo

 (crédito: Reprodução/Google)

(crédito: Reprodução/Google)

A Secretaria do Tesouro Nacional atualizou as projeções para a trajetória da dívida pública ao longo de 10 anos (de 2020 a 2029), considerando tanto a Dívida Bruta do Governo Geral (DBGG) quanto a Dívida Líquida do Setor Público (DLSP).

Devido aos efeitos da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus, ao final de 2020, a previsão do governo é de que a DBGG representaria 96% do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas do país). Isso significará um crescimento de 20,2 pontos percentuais em relação a 2019.

A crise do covid-19 exigiu do governo despesas extraordinárias em 2020, com deficit primário que deve atingir 12,7% do PIB ao final de 2020.

Para os próximos anos, a estimativa é que de a DBGG continue crescendo, porém, mais lentamente, chegando a 100,8% do PIB em 2026. Somente após esse prazo, a dívida começaria uma trajetória de queda, para encerrar 2029 em 98% do PIB.

Já a dívida líquida (DLSP), vai chegar ao final de 2020 a 68,2% do PIB, com aumento de 12,5 pontos percentuais em relação a 2019. A previsão é de que ela cresça continuamente até 2028, para 87% do PIB. “Para 2029, espera-se que este indicador se reduza marginalmente, fechando em 86,9%”, informa o Tesouro no Relatório de Projeções da Dívida.

As repercussões da pandemia vão se estender ainda por alguns anos, já que o endividamento (com impacto de R$ 587,4 bilhões no resultado primário) será incorporado e, com isso elevará as despesas de juros que incidem sobre a dívida pública.

“Taxas de juros, crescimento econômico e resultado primário das contas públicas são fatores cruciais nas perspectivas de endividamento. A combinação de choques adversos nessas variáveis pode colocar em risco a trajetória da dívida e a chance de sua estabilização no médio prazo”, reitera o Tesouro.

Com a crise sanitária, de acordo com o órgão, o perfil da dívida pública mudou e acarretou maior risco de refinanciamento. Aumentou ainda o desafio para o equilíbrio fiscal e tornou, segundo o órgão, as reformas imprescindíveis para aperfeiçoar o ambiente de negócios no país. “

A esse respeito, a parcela da Dívida Pública Federal que vence em até 12 meses (títulos curtos) deve alcançar 17,2% do PIB ao final de 2020, patamar significativamente acima da média histórica registrada entre 2006 e 2019, de 10,7%. Essa mudança no perfil de vencimento da dívida é condizente com períodos de crise, em que há menor apetite ao risco”, diz o relatório.

Em valor presente (de 2020, com base no custo médio de emissão da Dívida Pública Mobiliária Federal interna - DPMFi), a despesa adicional com juros sobre a dívida pública, ao longo dos próximos 10 anos, alcançaria R$ 261,6 bilhões. Mas o endividamento pode cair nos próximos anos, assinala o relatório, pela expectativa de taxas de juros reais baixas para o histórico do Brasil, e pela perspectiva de retomada do crescimento real do PIB.

“Todavia, caso as medidas de ajuste fiscal não avancem, esse prognóstico pode não se concretizar, trazendo riscos significativos para toda a trajetória da dívida”, alerta o Tesouro.

Football news:

Klopp on van Dijk: His knee doesn't look good, but it looks good for the knee that was recently operated on
Pirlo does not discuss tactics with Juve players. Interesting and Kolisevski do not understand their problems on the field (Corriere della Serra)
It looks like Cavani is being disqualified for the word Negrito. He didn't mean anything bad, but it's still racist
Juventus renewed Interest in Atletico defender Savic
Hasenhüttl about 2:3 with Manchester United: They celebrated as if they had won the Premier League. This is revealing
Hazard will miss about 3 weeks due to injury
Bude-Glimt-a unique champion: drags the Russian goalkeeper, responsible for the psychology of a former military pilot, Holand watches all the matches