Brazil

Le Monde: Artigo de Bruno Meyerfeld fala de perda da esquerda no Acre, ruim para o Brasil

no Le Monde

“Tínhamos tudo e perdemos tudo”

por Bruno Meyerfeld

O candidato do Partido dos Trabalhadores a prefeito de Rio Branco, capital do Acre, obteve apenas 4% dos votos nas eleições municipais de 15 de novembro. Este ex-bastião da esquerda votou esmagadoramente em Jair Bolsonaro em 2018.

O enorme pôster saúda o visitante assim que ele sai do aeroporto, aparecendo na umidade tropical. “Deus, pátria e família. Rio Branco acredita [em Jair Bolsonaro]”, diz o slogan da placa afixada com destaque na entrada da capital do Acre. O presidente posa ali todo sorrisos, gravata verde, dedo erguido para o céu, como um profeta em seu país. Ou um messias na frente de seus seguidores.

Não demorou menos para comemorar o “mito” Bolsonaro, como seus apoiadores o chamam. Porque é aqui, neste estado do extremo oeste da Amazônia, na fronteira boliviana-peruana, que o líder da extrema direita alcançou sua melhor pontuação nas eleições presidenciais de 2018: 77,2% no segundo turno (contra 55% nacionalmente). Em Rio Branco, obteve mais de 82% dos votos. Um verdadeiro plebiscito.

Difícil de acreditar, mas a região foi por duas décadas um baluarte da esquerda, considerada inexpugnável. O Partido dos Trabalhadores (PT) do ex-presidente Lula detinha todas as alavancas do poder lá: governador, deputados e senadores, prefeitos, assembleias locais… Tudo varrido pelo surgimento do Bolsonaro. Nas eleições municipais de 15 de novembro, o candidato do PT a prefeito de Rio Branco, Daniel Zen, foi drasticamente expulso da disputa no primeiro turno, com apenas 4,01% dos votos…

“Tínhamos tudo e perdemos tudo”, suspira Jorge Viana, ex-líder carismático da esquerda local. Aos 60 anos, o homem é bonito, com sua estatura alta, seus cabelos grisalhos cuidadosamente desgrenhados e seu sorriso de novela. Por muito tempo, o Acre foi sua coisa, sua casa. Ele o corporificou sucessivamente como prefeito de Rio Branco (1993-1997), governador (1999-2007) e finalmente senador em Brasília (2011-2019).

Costuma-se dizer que Jorge Viana “inventou o Acre”. Isso não está totalmente errado. Pobre, isolado no extremo oeste da Amazônia, o Acre foi por muito tempo uma terra marginal, pátria caída de seringueiros, coletores de látex, refúgio de exilados, lugar de todo tipo de tráfico…

Mas tudo mudou em 1999, com a chegada do PT no poder: Viana inaugura então o “governo da floresta” e dá ao Acre sua importância na escala do Brasil.

“Sonhamos grande aqui”

Sob seu governo, a Amazônia se torna um “ouro verde” a ser protegido. O governo investe em turismo e em indústrias sustentáveis, como látex ou castanha, e o desmatamento caiu 65% entre 1998 e 2007.

Melhor ainda: com a vitória do “camarada” Lula nas eleições presidenciais de 2002, o Acre se beneficia plenamente dos programas sociais de esquerda. Nos anos 2000, o PIB do estado triplicou, a expectativa de vida saltou de 66 para 71 anos. “Provamos que podemos aliar crescimento econômico e proteção ao meio ambiente”, afirma Viana.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Football news:

Flick on Bayern: Our goal is to stay on top
Goalkeeper Alcoyano has 10 saves in the match with Real Madrid. Most of all in the season among the rivals of Madrid
De Bruyne has a suspected muscle injury. He was replaced in the game against Villa
In Spanish for 70 years there is a phraseology about Alcoyano. It's about an outsider who does not give up until the last
Andrea Pirlo: Criticism is inevitable when you are suddenly appointed Juve coach, but the results will say everything for me
Zidane on relegation from the 3rd League club: It's not a shame, let's not go crazy. Real Madrid wants to win, sometimes it doesn't come out
Real Madrid were eliminated from the Spanish Cup for the fifth time by a team from the 3rd league