logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo
star Bookmark: Tag Tag Tag Tag Tag
Brazil

Morador de Cuiabá vai à polícia após ter seu nome associado a fake news sobre sequestro de crianças

Imagem: FAKE NEWSJoacy Oliveira Curado, 43 anos, morador de Cuiabá- MT, foi até a delegacia de Polícia Civil para denunciar que foi vítima de calúnia. Ele procurou a polícia para relatar que o seu nome foi usado em uma notícia falsa associada a um boato de um caminhão apreendido com vários corpos de crianças nuas sem órgãos em São Luís, no Maranhão. Esse caso no MA já foi desmentido pela Polícia em julho de 2017.

Na terça-feira (9), uma mulher postou a foto do carro da vítima como se ele tivesse relação com esse boato do Maranhão. “Gente, é sério, isso que estão dizendo que estão pegando crianças em Cuiabá. Cuide bem dos seus filhos pessoal. Essa é a placa do carro”, diz a postagem, que inclui uma montagem com a foto do carro e a notícia falsa das crianças encontradas mortas.

No boletim de ocorrência, a vítima relata que seu carro foi fotografado em um lava jato deixado por ele enquanto trabalhava. Na denúncia, ele pede que a polícia investigue se os dados do carro dele foram usados de má fé por alguém ou se teve a placa clonada.

A investigação

Em nota, a Polícia Civil informou que a Gerência de Combate a Crimes de Alta Tecnologia (Gecat) está acompanhando a série de notícias supostamente falsas compartilhadas em redes sociais referentes a sequestro de crianças em bairros de Cuiabá e Várzea Grande.

A Polícia ressalva que quem compartilhar notícias falsas pode responder por comunicação falsa de crime ou denunciação caluniosa, informou ainda que não existe nenhum caso de criança desaparecida na região metropolitana, em Cuiabá registrado pelo Núcleo de Pessoas Desaparecidas, ligado à Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção a Pessoas (DHPP).

Themes
ICO