Brazil

"Não se deve questionar a validade científica da vacina", afirma Imunologista

O imunologista também alertou para as fake news sobre a vacina - (crédito: Ana Rayssa/CB/D.A Press)

O imunologista também alertou para as fake news sobre a vacina - (crédito: Ana Rayssa/CB/D.A Press)

Em entrevista ao CB.Poder, apresentado por Jéssica Eufrásio nesta sexta-feira (22/1), Alexandre Soares, professor de Imunologia, Patologia e Anatomia do Centro Universitário IESB, debateu sobre a eficácia e os efeitos das vacinas contra a covid-19. Durante o programa que é uma parceira do Correio Braziliense com a TV Brasília, o doutor ressaltou a importância do combate às fake news a respeito da imunização.

“Não é necessário ter medo, é um vírus inativado e a função dele é fazer com que o organismo crie anticorpos caso haja contato com a covid-19. Os efeitos colaterais são baixíssimos e os mais vistos são: dor local, cansaço, mal estar e febre. Não houve reação adversa grave”, explicou Soares. Na visão dele, a vacinação é a forma mais eficaz de combate ao coronavírus. “Não se deve questionar a validade científica da vacina. A imunização existe há dezenas de anos”, afirma o doutor.

O professor observa que há ruídos capazes de confundir a população sobre a eficácia do imunizante Coronavac. “Muitos quando ouvem sobre a eficácia de 50% acreditam que só funciona em metade das pessoas, no entanto, não é verdade, mas a vacina aumenta em 50% as chances de não ser infectado pelo vírus e em caso de infecção, não haverá sintomas graves. As pessoas pegam a informação real da eficácia e a deturpam”, opina ele.

Uma das preocupações levantadas pelo docente é o desestímulo à imunização gerado pela disseminação de fake news. “Há pessoas que estão dentro de grupos prioritários que estão se recusando a serem vacinadas, por exemplo. É um contra senso, quando chegar a fase dos próximos grupos, deve haver uma campanha da sociedade em geral sobre conscientização. A questão maior não é o acesso à vacina, mas conscientizar as pessoas”, diz Alexandre Soares.

Segundo ele, o rápido desenvolvimento de um imunizante contra o coronavírus se deu pelo alto investimento em pesquisas científicas. “Usou-se bilhões de dólares para adiantar esse processo porque a pandemia paralisou o mundo. Além disso, a vacina não foi inventada de repente, usou-se outros modelos para fazê-la. Temos que lutar pelo conhecimento científico”, frisa o professor.

*Estagiária sob supervisão de Nahima Maciel

Football news:

Gattuso was fined 3 thousand euros for blasphemy
Burnley will ask for 50 million pounds for Pope. The goalkeeper is Interesting to Tottenham
Gladbach midfielder Neuhaus would like to move to Liverpool, his compensation is 40 million euros. Bayern are unlikely to fight for a player
Sampaoli took charge of Marseille. Contract - until 2023
Carlos Bianchi: PSG can score 5-6 goals for Barca in the second leg of the Champions League
Director of Shakhtar Srna about Roma in the 1/8 finals of the Europa League: Chances 50-50
Eintracht's forward Silva scored his 19th Bundesliga goal. Lewandowski has 26 goals, Holand has 17