logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo
star Bookmark: Tag Tag Tag Tag Tag
Brazil

Não se enganem: loucura não tem método; se tem método, não é loucura

Por Luís Costa Pinto, do Jornalistas pela Democracia - Hoje, logo cedo, a internet foi impactada com o escárnio da dança de Queiroz, mulher e filha, todos de laranja, no Einstein, dando uma traulitada na cara do Brasil, dos brasileiros, da Justiça e do Ministério Público.

Um nojo. A bolsolândia torceu, em silêncio, para que a repercussão fosse ínfima. Perderam, os playboys: as redes sociais fermentam, indignadas. Inclusive as deles. Queiroz, mantenedor da família Bolsonaro, pagador de cheque a Michele, é um fio desencapado a ameaçar a família e o Palácio. No meio da tarde, diante da repercussão, os advogados de Queiroz deram uma resposta pedestre. O Einstein, que deve explicações, calou. A bolsolândia calou.

E Bolsonaro? Ora, o presidente respondeu atacando: criou um post estúpido - estúpido, criminosamente acintoso - tentando unir PCC e CV na crise de segurança pública do Ceará ao MST e ao MTST.

Por que ele fez isso hoje, sábado à tarde? Por estratégia diversionista. Quer criar um burburinho, um buzz, uma onda de indignação (justificada) a seu post nos partidos e movimentos de oposição e desviar o foco do escândalo de Queiroz - o laranja.

As duas coisas são criminosas.

O evento Queiroz derrete a popularidade e a credibilidade de Bolsonaro e de seus filhos na turma dele. Uma coisa e outra têm de ser tratadas com a mesma intensidade de repercussão.

A estratégia diversionista de Bolsonaro está no manual de ações em redes sociais de Steve Banon. Foi usada por Trump em 2016, na campanha, e ao longo dos dois últimos anos. Agora, como a mídia tradicional americana redobrou a vigilância e passou a conhecer os métodos trumpistas (copiados aqui), não funcionam mais.

Sigamos sem arrefecer a cobrança a Queiroz e ao Einstein.

E passemos a esconjurar a falta de responsabilidade política e de qualquer traço de maturidade em um presidente que tuíta como se fosse um parvo assessor dos próprios filhos.

Se há um burro zurrando nessa história ele despacha no Planalto e veste a faixa por cima da bolsa de colostomia.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

Jornalistas pela Democracia

Eu apoio o 247

Themes
ICO