logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo
star Bookmark: Tag Tag Tag Tag Tag
Brazil

O MPL morreu, mas passa bem. Por Donato

Protesto do MPL em SP no dia 10 de janeiro (FOTOS MAURO DONATO)

2013 é um ano que persegue o Movimento Passe Livre, para o bem e para o mal.

É ótimo saber que a turma ‘apartidária’ da direita não irá nunca mais aparecer nas manifestações e misturar alhos com bugalhos.

Por outro lado, é triste ver parte da esquerda desdenhar de uma pauta legítima e não somar nas ruas contra algo que atinge gravemente o trabalhador e as camadas menos favorecidas.

Tudo por conta de um ano em que, no imaginário popular, foi quando se deu o nascimento e a morte do MPL. Ledo engano.

O movimento nasceu muito antes (em 2006) e mesmo depois da erupção de 2013 nunca saiu das ruas, nunca deixou de protestar a cada novo aumento da passagem.

É lamentável que todo ano a esquerda pergunte ‘cadê o MPL agora?’ O MPL estava lá. Assim como estava lá ontem novamente.

2013 ficou como um paradigma de sucesso para o MPL que não se justifica. Se o movimento não colocar 500 mil pessoas na avenida, é visto como fracasso. Ora, a militância é sempre aquela.

Todo e qualquer movimento social sabe disso. Ganhar adesão de outros movimentos e de populares autônomos é coisa rara. O normal é que só a militância vá.

E o MPL não tem um militância insignificante. Longe disso. Chamar e obter o comparecimento de aproximadamente 10 mil pessoas – meu palpite para ontem já que os organizadores falam em 20 mil e a Polícia Militar fala em 100 –  demonstra isso.

Principalmente com o histórico de repressão violenta da polícia contra aquele movimento (repressão que foi, não por acaso, o estopim para as ‘jornadas de junho’).

Desde a última segunda feira, a tarifa passou de R$4,00 para R$4,30 na capital paulista. Com a justificativa de ‘reduzir o desequilíbrio do sistema’, o aumento foi acima da inflação.

Aliás essa é a grande briga. Mais até do que a exequibilidade da tarifa zero (pauta do MPL), a ganância e injustiça na prática de cobrança precisam ser questionadas e combatidas.

Para quem ganha um salário mínimo que ficou R$ 8,00 abaixo do orçamento previsto e ainda sofre uma tunga dessas no preço da passagem, é um golpe indigesto (já para quem 8 reais não são nada, absolutamente nada, fica difícil imaginar que isso pode significar a impossibilidade total de mobilidade das classes desfavorecidas desde que não seja o traslado casa-trabalho. Mas significa, acredite).

A lucratividade das empresas que atuam no transporte público é uma caixa preta eterna.

Se corrigida apenas pela inflação desde 2004 (quando foi criado o Bilhete Único) até 2018, na ponta do lápis, a passagem na capital paulista hoje deveria custar R$ 3,82.

Por que tamanha diferença? Caro leitor, R$ 4,30 equivale a $ 1 euro. Mesmo que você não seja usuário de transporte público, não acha que tem algo muito errado?

“Mais uma vez o usuário pagará mais caro por um serviço de péssima qualidade e pior, muitos não conseguirão pagar e ficarão sem usar o transporte público. O aumento, muito acima da inflação, coincide com uma época de crise econômica, desemprego, eminente perda de direitos sociais e com o valor do salário mínimo sendo reajustado abaixo do previsto. Enquanto os envolvidos na máfia do transporte são protegidos pelos governantes, a população tem seus bilhetes únicos cancelados a todo momento com a desculpa de evitar fraudes no sistema”, publicou o Movimento Passe Livre.

O objetivo da manifestação de ontem era terminar a marcha na praça do Ciclista, na avenida Paulista. Não foi permitido, mas é para lá que está marcado o início do próximo protesto na quarta-feira, dia 16.

Quem de fato luta contra a desigualdade irá ‘colar’ ou vai continuar no sofá citando teorias conspiratórias de seis anos atrás?

Contra a tarifa
Themes
ICO