Brazil

“Os Estados Unidos fizeram da guerra contra a corrupção um substitutivo da guerra contra o terror”, diz Celso Amorim

O ex-chanceler dos governos Lula avalia que o novo fronte da geopolítica estadunidense, que gira em torno de uma suposta guerra contra a corrupção, visa “remover regimes incômodos e favorecer práticas que melhorem as condições de competitividade das empresas norte-americanas”. Assista:

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-chanceler dos governos Lula, Celso Amorim, em entrevista à TV 247, categorizou como o novo fronte da estratégia geopolítica estadunidense a guerra contra a corrupção. Para ele, o processo favorece empresas dos Estados Unidos, conforme visto na Operação Lava Jato, que atingiu o Brasil e países vizinhos.

Repercutindo a matéria do Le Monde que revela como o ex-juiz Sergio Moro, condenado pelo Supremo Tribunal Federal por parcialidade, trabalhou contra o Brasil e a favor dos interesses econômicos e geopolíticos dos Estados Unidos na Lava Jato, Amorim disse:

“É explícito na Lei de Práticas de Corrupção no Exterior (FCPA, na sigla em inglês). Primeiro que eles fizeram da guerra contra a corrupção quase que um substitutivo da guerra contra o terror. Embora eles não tenham abandonado totalmente a outra, perdeu muito a ênfase que tinha no governo Bush, e a guerra contra a corrupção praticamente tomou o lugar. E o objetivo de favorecer geopoliticamente, mas também favorecer as empresas norte-americanas na competição, é explícito, e aparece nessa matéria. Isso está ficando claro internacionalmente também”.
“Claro que ninguém quer corrupção. É preciso combatê-la. Mas faz parte de um uso explícito, que algumas pessoas chamam de guerra híbrida. É uma maneira de remover regimes incômodos e favorecer práticas que melhorem as condições de competitividade das empresas norte-americanas. As empresas brasileiras tinham tomado aqui na América do Sul, com participação e financiamento não do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), mas da CAF (Corporação Andina de Fomento)”, completou.

Peru

Amorim lembrou do caso do Peru, que tem quatro ex-presidentes investigados por relações com a Odebrecht: “Se houve práticas ilegais, elas têm de ser combatidas, tudo bem, mas veja, a própria fragmentação que ocorreu no Peru é um pouco o espelho dessa coisa que está acontecendo. Vários ex-presidentes foram acusados e não sabemos até que ponto as coisas são verdadeiras. E, de qualquer maneira, a forma como foi feita é totalmente irregular e com objetivos políticos nítidos”.

Inscreva-se na TV 247, seja membro e compartilhe:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Football news:

Neymar on contract extension: Happy to stay at PSG. I will try to fulfill our main dream - to win the Champions League
Neymar has extended his contract with PSG until 2025
Zidane on Hazard laughing after Chelsea: Eden apologized, he didn't mean to offend anyone. This is in the past
Juventus refused to sell de Ligt to Chelsea and Barca. The offers came about 10 days ago
Real Madrid, Barcelona and Juve sent letters to 7 Super League clubs and threaten them with legal consequences for withdrawing from the tournament
Julen Lopetegui: Zidane is the perfect coach for Real Madrid. His work speaks for itself
Hazard will be hard to convince to leave Real Madrid. He receives 15 million euros, his contract is valid for another 3 years