Regime sírio assume controle dos arredores de Aleppo

Criança em campo de deslocados sírios em Sarmada, noroeste, em 16 de fevereiro - AFP

O regime sírio recuperou, neste domingo, o controle das localidades que cercam a metrópole de Aleppo, avançando em sua ofensiva contra o último grande reduto jihadista e rebelde no noroeste do país.

Com esta progressão, as forças do presidente Bashar al-Assad afastaram seus adversários dos arredores de Aleppo, que tem sido alvo de bombardeios jihadistas e rebeldes. Segunda maior cidade do país e capital da província de mesmo nome, Aleppo foi retomada pelo regime em 2016.

Apoiadas pelos ataques aéreos de seu aliado russo, as forças pró-regime lançaram em dezembro sua ofensiva para recuperar a região de Idlib e áreas vizinhas.

Os jihadistas da Hayat Tahrir al-Sham (HTS, ex-facção síria da Al-Qaeda) controlam mais da metade da província de Idlib, bem como setores adjacentes em Aleppo, Hama e Latakia. Grupos rebeldes e outras facções jihadistas também estão presentes na região.

Após combates e ataques aéreos, “os pró-regime assumiram o controle de todas as localidades e vilarejos ao redor de Aleppo pela primeira vez desde 2012”, segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH).

“Eles progrediram rapidamente no norte e oeste da província de Aleppo após a retirada total das facções” adversárias “e assumiram o controle de quase 30 aldeias e localidades”, segundo a ONG.

De acordo com a televisão estatal síria, “as unidades do exército libertaram todas as aldeias e localidades a oeste da cidade de Aleppo”. A emissora exibiu imagens apresentadas como as de moradores de Aleppo comemorando a chegada do regime.

Nos olivais no leste da província de Idlib, perto da localidade de Maaret al-Naassane, rebeldes a bordo de um tanque dispararam contra posições do regime na localidade de Miznaz, de acordo com um correspondente da AFP no local.

As forças do regime também conquistaram territórios adjacentes a uma rodovia que liga a cidade de Aleppo à capital Damasco, para garantir essa via expressa, segundo o OSDH.

Desde dezembro, mais de 800.000 pessoas foram deslocadas pela violência no noroeste da Síria, segundo a ONU. Mais de 380 civis foram mortos, de acordo com o OSDH.

Desencadeada em março de 2011 com a repressão de manifestações pacíficas, a guerra na Síria matou mais de 380.000 pessoas.

Apoiado pela Rússia, Irã e também pelo Hezbollah libanês, o governo de Damasco tem obtido seguidas vitórias e já controla mais de 70% da Síria.

Neste domingo, o presidente do Parlamento iraniano, Ali Larijani, se reuniu em Damasco com Assad, que enfatizou a “determinação” de seu povo “em libertar todo o território sírio”, segundo a presidência.

Comentar no Facebook