A Apple e a Google expulsaram o Fortnite, um dos jogos mais populares em todo o mundo. A decisão surge depois de a Epic Games, que desenvolve aquele videojogo, ter anunciado à comunidade de jogadores de Fortnite uma forma de fazer compras de itens fora daquelas duas plataformas.

Tanto a Apple como a Google recebem até 30% do valor de cada compra feita dentro das aplicações que alojam, como é o caso da Fortnite. Mas esta quinta-feira a Epic Games anunciou no seu próprio site que criara um sistema de pagamentos diretos à sua empresa, podendo assim contornar a Apple a Google. De acordo com o post da Epic Games, os descontos seriam na ordem dos 20%.

Não tardou muito até àquelas duas gigantes tecnológicas tomarem medidas drásticas. A primeira foi a Apple, que em comunicado acusou a Epic Games de ter “violado” de forma “expressamente declarada” as normas da App Store.

“A Epic concordou com os termos e condições da App Store de livre vontade e nós estamos felizes por eles terem construído um negócio com tanto sucesso na App store. O facto de que os seus interesses comerciais agora os levam a tentar ter um acordo extraordinário não altera o facto de que estas condições criam as mesmas condições para todos os produtores e torna a loja segura para todos os utilizadores”, lê-se nesse comunicado.

Em relação a esta tomada de posse da tecnológica de Tim Cook, a Epic Games acusou a Apple de ser hoje “um gigante em busca de controlar os mercados, bloquear a competição e sufocar a inovação”. A Epic Games acusou ainda a Apple de querer “impor condicionantes irrazoáveis e de querer manter ilegalmente um monopólio do mercado de pagamentos nas aplicações em iOS”.

Depois, foi a vez da Google tomar uma medida semelhante, admitindo ainda assim que a sua porta não está fechada. “Estamos a abertos à oportunidade de continuarmos as nossas discussões com a Epic para termos o Fortnite de regresso à Google Play”, disse o porta-voz da Google Dan Jackson.