A avaliação bancária para pedidos de crédito para compra de habitação bateu em janeiro novo recorde, subindo para 1.330 euros por metro quadrado, mais nove euros do que em dezembro, revelam dados do Instituto Nacional de Estatística (INE).

O valor médio de avaliação bancária, no valor de 1.330 euros em janeiro, representou um aumento de 0,7% relativamente a dezembro de 2019 e de 8,5% face ao mesmo mês do ano anterior.

A avaliação bancária já tinha em dezembro batido novo recorde, ao subir para 1.321 euros por metro quadrado (m2), mais nove euros do que em novembro, e traduzindo um aumento de quase 100 euros face a dezembro de 2018, quando a avaliação era de 1.220 euros/m2.

A nível regional, o Alentejo registou em janeiro a maior subida (1,2%) daquela avaliação, face a dezembro, enquanto a única descida (-0,1%) se registou na Região Autónoma da Madeira.

Em comparação com janeiro de 2019, o valor médio das avaliações cresceu 8,5%. A taxa de variação homóloga mais elevada para o conjunto das avaliações verificou-se no norte (9,2%) e a menor foi registada na Região Autónoma da Madeira (6,7%).

Quanto aos apartamentos, em janeiro, o valor médio de avaliação bancária foi 1.420 euros/m2, aumentando 10,2% relativamente ao mês homólogo, registando-se o valor mais elevado no Algarve (1.750 euros/m2) e o mais baixo no centro (1.112 euros/m2). “Comparativamente com o mês anterior, o valor subiu 0,9%, tendo o Alentejo apresentado a maior subida (3,1%) e a Região Autónoma da Madeira e o Algarve as únicas descidas (-0,3%)”, informa o INE.

Em termos homólogos, a Região Autónoma dos Açores apresentou o crescimento mais expressivo (22,3%) e a Região Autónoma da Madeira o mais baixo (8,6%).

O valor médio da avaliação para apartamentos T2 subiu 18 euros, para 1.474 euros/m2, tendo os T3 subido 13 euros, para 1.325 euros/m2. Segundo o INE, no seu conjunto, estas tipologias representaram 83,8% das avaliações de apartamentos realizadas em janeiro de 2020.