Portugal

Colisão de catamarã ainda sem conclusão

Três anos após o grave acidente com um catamarã no Tejo, que na manhã de 25 de janeiro de 2017 colidiu violentamente contra a doca da Marinha, no Terreiro do Paço, provocando ferimentos em 37 dos 561 passageiros, a investigação ainda não está concluída, sabe o CM. A Polícia Marítima afirma que "se encontra em fase de conclusão o relatório das investigações sobre ao acidente, na Unidade Central de Investigação Criminal".

A Polícia Marítima justifica que, "resultado das perícias inicialmente efetuadas, foi necessário executar novas perícias, a pedido do Ministério Público, pelo que só recentemente foi possível reunir todos os dados para permitir a conclusão do relatório das investigações".

O relatório preliminar da empresa Soflusa apontou uma "avaliação deficiente da posição do navio face ao pontão, causada pela visibilidade quase inexistente, devido ao nevoeiro cerrado, bem como pela insuficiente avaliação da velocidade de aproximação".

A velocidade em excesso e a desorientação pelo nevoeiro também foram as causas apontadas no relatório dos especialistas do Gabinete de Investigação de Acidentes Marítimos, divulgado pelo CM logo em julho de 2017. A 72 metros do cais do Terreiro do Paço, o catamarã ‘Antero de Quental’ seguia a 13,2 nós (24,4 km/h) quando deveria ir a bem menos de 10. Devido ao nevoeiro, o mestre, em vez de ir para o pontão habitual, seguiu para o da Marinha, só se apercebendo e tentado, sem sucesso, evitar o acidente a dez metros do cais.

PORMENORES
Picos de 37 km/h
O ‘Antero de Quental’ saiu do Barreiro às 08h09 e a colisão em Lisboa ocorreu às 08h27. Com nevoeiro, a Soflusa recomenda uma velocidade máxima de 26 km/h. Aquela viagem teve picos de 37 km/h.

Leitura incorreta


O alerta para o embate iminente foi dado pelo maquinista a apenas 10 metros do pontão. Especialistas concluíram que foi feita "incorreta leitura dos equipamentos auxiliares de navegação".

Instrumentos


O CM sabe que os investigadores da Polícia Marítima se focaram na calibração dos instrumentos do catamarã, como radares, sonda, GPS, girobússola e AIS. Estes estariam todos ligados.