Portugal

Com Marvel's Spider-Man, é Peter Parker quem quer

Debaixo do céu desta Nova Iorque acontece um recreio digital, embalo dado ao jogador que é recordado da diversão que uma empreitada com dezenas de horas pode ter. São recordações que ficam, provas de que os super-heróis mais populares podem ser mais do que nomes a adornar títulos à caça de vendas. A responsável é a Insomniac Games e o jogo é Marvel's Spider-Man.

Os fãs há muito que esperavam – e desesperavam – por uma proposta que fosse condigna do historial de Peter Parker. Esse momento chegou e, ainda que tenha algumas falhas, é um videojogo com um ângulo de ataque tão ambicioso quanto bem executado, muito graças à experiência que a Insomniac foi acumulando ao longo dos anos.

Há dois pilares que sustentam a obra: o arco narrativo generoso em reviravoltas e um capítulo técnico que impressiona, tanto no detalhe como na escala. Convidando os jogadores a vestirem a pele de um Homem-Aranha que não está agora a descobrir as suas habilidades fora do comum, sente-se desde cedo que os argumentistas criaram vários fio narrativos para sustentar uma trama que tinha de manter o interesse ao longo de horas.

As reviravoltas narrativas são alimentadas por personagens que a memória dos jogadores conhece bem. Além do próprio Peter, Mary Jane e a Aunt May marcam presença, tal como Miles Morales. Isto importa porque existirem várias ramificações agrupadas em dois subgéneros da própria narrativa: o lado mais explosivo do combate ao crime, mas também o lado mais humano de Peter.

Talvez o maior trunfo de Marvel's Spider-Man seja a forma como a produtora compreende o que é necessário para alimentar um título com um cenário aberto: além das missões principais, há incontáveis missões secundárias e estas são uma ínfima parte dos objectivos que se vão desbloqueando enquanto exploramos Nova Iorque metro a metro. Estes não têm o glamour das missões secundárias e estas não têm a grandiosidade das principais, mas são recompensas que garantem aos jogadores tokens que podem ser usados para adquirir fatos e gadgets, assim como fazer as suas respectivas melhorias. A lista de actividades estica a longevidade da obra para todos os que tiverem disposição para a desfrutar ao máximo.

Marvel's Spider-Man oferece uma sensação que não é original, mas que é bem-vinda: a de ser muito difícil a um jogador focar-se apenas no principal. Oferece uma cidade que parece viver e respirar mesmo quando o jogador não está a olhar.

A alimentar tudo isto está uma jogabilidade competente, que se destaca em dois pontos: o combate e a forma como o Homem-Aranha se desloca pela cidade. O combate vive muito das habilidades que se vão desbloqueando e da forma como são usadas. A Insomniac sabia perfeitamente que os jogadores teriam pela frente inúmeras cenas de luta, pelo que é de salutar a forma como entrega as bases para as diversificar.

Isto faz com que a evolução dos processos da jogabilidade não entrem numa estagnação precoce. Ajuda  que as cenas em que participamos sejam coreografadas quase sempre ao centímetro: são inúmeras, mas cuidadas e polidas, permitindo retirar diversão da sensação de grandiosidade – tudo parece uma dança, incluindo a interacção com as peças do cenário; tudo parece disposto a sublinhar a nossa elevação temporária a super-herói digital.

A forma como o protagonista se movimenta pela cidade não só é fluida, como mostra uma cadência quase hipnotizadora. Lançar as teias resulta num processo tão natural que nos faz esquecer que estamos com um DualShock 4 nas mãos. A cidade é enorme, mas a produtora parece ter estudado ao metro cada rua para que o design fosse irrepreensível.

Isto leva-nos até ao excelso departamento técnico. Desde a modelagem das personagens aos cenários, Marvel's Spider-Man é um triunfo. Há as vistas mais amplas quando estamos no topo de um arranha-céus, mas também os cenários interiores: o que a produtora faz correr na consola caseira da Sony é um triunfo da técnica aliado à sensibilidade da direcção artística. Esta Nova Iorque é um sorvedouro de horas.

A banda-sonora aposta na emulsão do épico quando chamada a intervir, mas o destaque é a muito mais presente vocalização. O argumento conta com vários momentos dramáticos, com mortes e revelações de quem esteve na origem de quem; o argumento resulta um pouco mais rente ao osso dos jogadores porque as prestações vocais dos actores denotam – também – todo o músculo financeiro da Insomniac e da Sony.

Marvel's Spider-Man detém vários feitos. Longo, épico, graficamente impressionante – pelo menos numa PlayStation 4 Pro ligada a uma televisão 4K – a repetição de algumas tarefas e processos nunca chega a danificar o cômputo geral.

Esperámos e esperámos e esperámos um pouco mais, mas aqui está ele: um videojogo dedicado ao Homem-Aranha que é enorme, envolvente, deslumbrante, capaz de nos fazer arregalar os olhos pelos momentos épicos, de nos fazer rir pelo humor usado quanto baste, e de nos fazer sentir humanos entre super-poderes. Não é perfeito e não se esquiva a algumas repetições, especialmente nas tarefas terciárias, mas isso é um grão de areia nesta praia onde se passam umas boas férias longe.

Football news:

Wycombe reached the championship for the first time in 133 years. Akinfenwa (Yes, that Jock from FIFA) is going crazy-he was personally congratulated by Klopp
Manchester City intends to sign Lautaro, alaba and Coulibaly after the cancellation of the ban on European competitions
Griezmann suffered the first muscle injury of his career. Earlier, Barca players were dissatisfied with the medical staff
Barcelona will lose 100 million euros due to the coronavirus. The club expected to make 200 million euros in profit
Police have opened a case against Ronaldo's 10-year-old son. He was self-driving a jet ski (The Sun)
Lampard on the cancellation of city's ban: I Never hoped that an extra team would get into the Champions League
Thibaut Courtois: to take the title, you have to suffer. It is not easy to win every match