Em condições normais, esta seria apenas mais uma viagem. Que terminou mal, com a derrota pesada sofrida com o Lodi (5-1) que afastou a equipa da defesa do título europeu conquistado no ano passado após um jejum de mais de quatro décadas em relação ao principal título da modalidade no continente, mas que seria apenas mais uma viagem. No entanto, e com o passar dos dias e das notícias, revelou-se um pouco mais do que isso.

Com jogo (decisivo) na noite de sábado (20h), dia 15, em Itália, a comitiva de hóquei em patins do Sporting rumou na véspera à região de Lodi com os dez jogadores eleitos pelo técnico Paulo Freitas (ficaram de fora deste jogo os espanhóis Ferrant Font e Raúl Marin). Depois da derrota na quarta jornada da fase de grupos no Pavilhão João Rocha com os espanhóis do Reus, os leões estavam no limite proibidos de perder diante dos transalpinos, sob pena de ficaram eliminados dos quartos da Liga Europeia. Foi o que aconteceu, com uma goleada da equipa treinada pelo português Nuno Resende e que tem o antigo capitão verde e branco João Pinto por 5-1 com golos de Lucas Martínez (três) e Domenico Illuzzi (dois) contra um de Gonzalo Romero.

A equipa regressou nesse mesmo fim de semana, até por forma a preparar o encontro adiado a contar para o Campeonato frente ao FC Porto no Dragão na quarta-feira (nova derrota, neste caso por 6-0), tendo depois jogado com o Póvoa a contar para a Taça de Portugal (triunfo por 5-1). Foi já depois deste jogo que houve o alerta em Alvalade para aquilo que se passava lá fora, nomeadamente em Itália, onde o coronavírus tinha entrado em força e tornado o território transalpino no principal epicentro de casos na Europa perto de Lodi.

“Aquilo que ouvimos nas notícias é que o paciente zero é um senhor que nem ficou doente, que trabalha numa empresa na China mas que terá infetado uma senhora, que posteriormente foi ao hospital e a partir daí começou o surto”, contou no passado sábado João Pinto ao zerozero, a propósito do surto na região da Lombardia. “O foco é aqui numa localidade a cinco quilómetros de Lodi e como é óbvio estamos apreensivos mas a cidade não está de quarentena. Já vimos pessoas a andar nas ruas de máscaras, mas está tudo aparentemente normal”, completou, apesar do adiamento de alguns jogos na Liga transalpina de hóquei em patins no último fim de semana.

De acordo com informações recolhidas pelo Observador, desde que foi confirmado o primeiro caso naquela zona de Itália, o departamento clínico do Sporting, liderado agora por João Pedro Araújo e que tem Isabel Crespo como médica da equipa sénior masculina, tem estado a monitorizar todos os elementos que estiveram nesse jogo de acordo com as diretrizes traçadas para este tipo de despistes de casos, com exames diários que, de acordo com as fontes contactadas, não levantam qualquer preocupação. “Por uma questão de mera precaução, foram ativados todos os mecanismos para garantir que não houve qualquer tipo de problema”, explicou uma fonte contactada, que salientou ainda que o possível período de incubação termina no próximo sábado, dia 30.

Em paralelo, os responsáveis verde e brancos têm também estado em contacto diário com jogadores e dirigentes do Lodi, acompanhando também a situação da equipa transalpina que não regista qualquer suspeita de possível infeção com coronavírus. Ainda assim, subsistem ainda muitas dúvidas em relação à Liga italiana de hóquei em patins e ao regresso e continuidade dos encontros da competição, algo extensível a todo o desporto transalpino em geral que já teve vários jogos e eventos adiados por questões de segurança.