Portugal

País Cansado, uma peça contra o medo dos tempos em que vivemos

Uma pessoa de máscara cujo rosto é indecifrável, ruas vazias e janelas fechadas que se repetem vezes sem conta mostram um “país cansado”. É um cenário, embora já habitual, que não deixa de impressionar.  O preto e o branco das imagens transparecem, de uma forma crua, a soturnidade, o vazio e a solidão, ao mesmo tempo em que ouvimos “Eu vi o sol cair e nunca mais subir naquele país cansado/ eu vi o mar secar e nunca mais herdar àquele país cansado”.

A ideia, explica o músico e compositor César Magalhães, pairava desde Abril de 2020, mas só agora ganhou forma. “Percebi que estava a ganhar um novo rumo e fazia sentido. Não só por se tornar numa coisa estrutural, mas agora a ameaça torna-se uma coisa quase circular, cíclica, que se vai repetindo. E isso assusta-me”, começa por explicar ao P3.

Durante três meses dedicou-se ao projecto, assim como Rosamusgo, que lhe empresta a voz, e João Passos, que disponibilizou o estúdio. Escreveu a letra e percorreu as ruas vazias de Viana do Castelo, Lisboa, Porto, Évora ou Coimbra para o vídeo. “A ideia era recriar toda a ideia de um país, enfim, amordaçado, confinado.”

O videoclipe é um enigma e, ao mesmo tempo, o espelho de 2020 e 2021. Para César Magalhães, é um aviso. “Eu temo muito que o medo se torne uma modalidade normalizada. Que as pessoas se habituem a este novo estilo de vida (…), que o aceitem apesar de isto nos estar a destruir por dentro de várias formas. Portanto, estamos a reconfigurar uma sociedade para resolver um problema, marginalizando todos os restantes.” A angústia, a ansiedade, a solidão e a dor acrescentam algum dramatismo e, acima de tudo, evocam uma reflexão sobre o presente e a incerteza do futuro. Afinal, “quem vem refazer das cinzas uma flor até o sol dançar”?

Há uma luz que se acende no escuro, um relógio que assinala o tempo a passar e molduras que recordam tempos diferentes. Todos estes elementos, explica, estão associados à ideia de esperança. “Há uma alusão ao 25 de Abril e a vários momentos da história, ou seja, isto é uma réplica de crises que já sucederam e, no fundo, a nossa reacção às crises. Só que esta dialética, neste momento, é incerta. Soubemos como acabou o 25 de Abril, acabou em liberdade. Não sabemos como é que isto vai acabar.”

César Magalhães é natural de Vila Praia de Âncora. A paixão pela música, a sua área de formação, começou cedo. Músicas para entidades oficiais, para espectáculos ou de carácter erudito são alguns dos seus palcos. País cansado, disponível no YouTube desde 13 de Fevereiro, é um dos muitos temas que compôs e também o mais interventivo, “quase à Zeca Afonso”, como descreve.

Texto editado por Amanda Ribeiro

Football news:

Presnel Kimpembe: It will be a huge achievement to knock out Bayern, because they is the best team in Europe
Mauricio Pochettino: Bayern are the best club in the world at the moment. Anything can happen
Gagarin was very fond of sports: he played water polo, hockey, volleyball and more
Ibrahimovic broke the anti-bullying rules. He had lunch with Abate and two other people at the restaurant
Thomas Tuchel: Probably, Porto is easier in some ways - they have a clear task, three goals. Chelsea may find themselves in an unenviable position
Son Heung-min was subjected to racist abuse after the match with Manchester United
Sonny is lucky that his father is better than Ole. Mourinho and Solskjaer cut down due to the fall of Son