logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo
star Bookmark: Tag Tag Tag Tag Tag
Portugal

Itália. Dezenas de milhares de “sardinhas” manifestaram-se em Roma contra a extrema-direita

Milhares de “Sardinhas”, este sábado, junto à Basílica de São João de Latrão, em Roma

Antonio Masiello / Getty Images

O movimento das “sardinhas” surgiu há um mês, em Bolonha. Então, uma manifestação organizada por quatro desconhecidos para denunciar o discurso de “ódio e divisão” de Matteo Salvi (líder da Liga, de extrema-direita) juntou inesperadamente 15 mil pessoas

Dezenas de milhares de pessoas, designadas “sardinhas” antifascistas, manifestaram-se este sábado, numa das maiores praças de Roma, contra a extrema-direita.

“Estas sardinhas são da área da esquerda. Ninguém tem vontade de insultar ou de propagar o ódio. Vim para testemunhar, caso contrário, teria vergonha de ser italiano”, explicou à agência France-Presse Roberto Piperno, um reformado.

Fontes da polícia citadas pela agência AGI indicaram que estariam cerca de 35 mil pessoas na manifestação que decorreu na praça em frente à Basílica de São João de Latrão.

O movimento das “sardinhas” surgiu há um mês, em Bolonha, quando uma manifestação organizada por quatro desconhecidos reuniu inesperadamente 15 mil pessoas para denunciar o discurso de “ódio e divisão” de Matteo Salvi, antigo ‘número dois’ do Governo italiano e chefe da Liga (extrema-direita).

Desde então, dezenas de manifestações, ao ritmo da canção da resistência Bella Ciao, reuniram no total 300 mil pessoas em Milão, Florença, Nápoles e Palermo.

Este sábado, em Roma, aconteceu o mesmo, com jovens e idosos lado a lado, vindos a pé, de bicicleta ou até de cadeira de rodas, com a intenção de enviar uma mensagem aos partidos de extrema-direita que fomentam o ódio e o racismo contra a liberdade, a tolerância e a igualdade.

“Estamos aqui porque somos uma família unida e queremos defender determinados valores que alguns querem eliminar, valores que rejeitam o fascismo e defendem a tolerância e a igualdade. Estamos aqui para dizer que a política do ódio não nos agrada, que gostamos da política virada para o futuro, que acolhe e não fecha portas”, disse um dos manifestantes à agência EFE.

Themes
ICO