logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo logo
star Bookmark: Tag Tag Tag Tag Tag
Portugal

Liverpool imperial cava um fosso profundo para o City

Um clássico como o Liverpool-Manchester City é sempre importante para os dois, independentemente do contexto. Mas o que se disputou neste domingo, em Anfield Road, pesava mais sobre os ombros dos visitantes, que entraram em campo a seis pontos do rival (e líder isolado) e precisavam de um resultado positivo para reduzirem a distância (ou, pelo menos, não a agravarem). Foram, porém, os “reds” que saíram por cima (3-1), cavando agora um fosso de nove pontos para o actual campeão.

Em Liverpool, o City não perdeu apenas o segundo lugar da Premier League à 12.ª jornada, ultrapassado por Leicester e Chelsea. Terá perdido, também, um pouco de auto-estima, depois de um jogo em que até entrou personalizado mas no qual, aos 13’, já perdia por 2-0. Na sequência de uma arrancada de Bernardo Silva, que rompeu pela área do adversário e ficou a reclamar mão de Arnold, os “reds” recuperaram a bola, partiram para o ataque, obrigaram os “citizens” a um alívio de recurso e depois apareceu Fabinho. De fora da área, o brasileiro utilizou uma fórmula que já deu frutos noutras ocasiões e inaugurou o marcador, com um remate tremendo (6').

Pep Guardiola ficou no banco a reclamar um possível penálti na área do Liverpool, no início do lance, mas ainda estaria a pensar de que forma reagiria a equipa à desvantagem e já os campeões europeus chegavam ao 2-0. Novamente a partir do corredor esquerdo, Robertson arrancou um cruzamento perfeito, aproveitando o espaço que Kyle Walker lhe deu, e Mohamed Salah surgiu, na passada, a cabecear com classe para o segundo poste. Dois remates, dois golos e Claudio Bravo desolado.

Ainda havia quase um jogo inteiro por disputar, mas a forma como o Liverpool pressionava a saída de bola do adversário e se reagrupava quando a primeira linha de pressão era batida fazia antever dificuldades enormes para o campeão. Sem Zinchenko, o City apostava em Angeliño e essencialmente no corredor esquerdo para criar problemas aos anfitriões e ainda assustou num par de ocasiões ao longo da primeira parte: Aguero permitiu a defesa de Alisson, Angeliño levou a bola a roçar no poste.

Nada de muito significativo se alterou para o segundo tempo e o Liverpool, mais no controlo das operações, acabou por chegar ao 3-0 num lançamento de linha lateral, logo aos 51’. Jordan Henderson ganhou a linha de fundo, cruzou para o segundo poste e Sadio Mané, de cabeça, nas costas dos centrais, encostou para o seu sétimo golo no campeonato.

O City, com Kevin de Bruyne sempre por dentro, precisava de arriscar um pouco mais e continuou a recorrer a Bernardo Silva e a Sterling para desequilibrarem pelos corredores. E acabou por ser o português a reduzir, aos 78’, com um remate espontâneo que entrou mesmo junto à base do poste esquerdo da baliza de Alisson. Jürgen Klopp não gostou e decidiu resguardar-se logo a seguir, prescindindo de Firmino para reforçar o meio-campo com Oxlade-Chamberlain, responsável por auxiliar Arnold a fechar o corredor direito.

De bola parada, os “citizens” ainda assustaram nos derradeiros minutos, mas não estiveram nem sequer perto de evitar a terceira derrota na prova, mais uma do que tem o Wolverhampton. Detêm o melhor ataque da Premier League (35 golos), mas continuam longe do registo implacável de um Liverpool que, com 11 vitórias e um empate até à data, esta época parece ser um candidato ainda mais sério ao título. 

Themes
ICO