KimberlyGuilfoyle, a namorada do filho mais velho do presidente Trump e uma das principais responsáveis pela angariação de fundos para a campanha de reeleição de Trump testou positivo para o coronavírus na passada sexta-feira, relata o The New York Times e vários outros órgãos de comunicação social norte-americanos, como o Politico. No dia em que recebeu o resultado do teste, participou num evento de celebração do quatro de julho no Monte Rushmore onde ninguém utilizou máscara ou manteve o distanciamento social.

Guilfoyle viajou para Dakota do Sul, estado onde fica o monumento, juntamente com Donald Trump Jr. O jornal Politico explica que os dois não viajaram no Air Force One e, até agora, mais ninguém da comitiva teve testes positivos. De recordar que o presidente instaurou uma precaução de rotina em que todos os que têm contacto com ele têm de ser rastreados.

Guilfoyle não apresentava qualquer sintoma e não terá entrado em contacto direto com o presidente. Sergio Gor, responsável pela equipa de angariação de fundos para a campanha de Trump, disse num comunicado citado pelo Politico: “Depois de testar positivo a Kimberly foi imediatamente isolada para limitar qualquer exposição. Ela está a sentir-se bem e será testada novamente para garantir que o diagnóstico está correto, já que é assintomática. Como medida de precaução, mesmo assim, cancelará todos os eventos futuros. Donald Trump Jr foi testado e acusou negativo.  Como medida de precaução, cancelou todas as suas aparições público e vai manter-se em isolamento”.

Guilfoyle participou no comício que Trump organizou em Tulsa, no estado de Oklahoma, no mês passado. Antes e depois dessa data, algumas equipas de campanha e funcionários dos Serviços Secretos também testaram positivo. Herman Cain, um ex-candidato presidencial republicano que também estava no comício, disse esta semana que tinha sido hospitalizado por causa do vírus.